segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Redação - Tema 2018E06 - "Fake news" e pós-verdade (Enem, Uniube, Fuvest, Vunesp, Unicamp e demais vestibulares.)


Proposta de redação 2018E06

Texto 01.
“Pós-verdade foi eleita a palavra do ano em 2016 pelo Dicionário Oxford. De acordo com o Dicionário Oxford, pós-verdade é: um adjetivo ‘que se relaciona ou denota circunstâncias nas quais fatos objetivos têm menos influência em moldar a opinião pública do que apelos à emoção e crenças pessoais’. Um mundo com a pós-verdade é uma realidade em que acreditar, ter crença e fé de que algo é verdade é mais importante do que isso ser um fato realmente.”

Texto 02.
“Os compartilhamentos e as curtidas fazem com que qualquer marca ganhe respaldo perante a sociedade em rede fazendo com que, advogados de marcas sejam criados e construídos a partir do protagonismo do receptor da informação no ciberespaço. Este cenário propõe que todos nós possamos ser além de compartilhadores; criadores, reconfiguradores, sintetizadores e jogadores de conteúdo.
O que poderia ser bom, vem elaborando um novo contexto que se torna negativo. Certamente, você já leu, recebeu e/ou enviou alguma notícia que parecia ser verdadeira e, no entanto, dias depois descobriu que era falsa. Tudo isso porque você recebeu de um amigo de confiança ou familiar que já havia recebido de outra pessoa no privado ou em um grupo dos aplicativos de smartphones.
Pois é! Você foi vítima de ‘Fake News’! Essa é a palavra que vem centrando a sociedade brasileira desde o início de 2018. Muitas são as ações e tentativas para coibir o efeito que pode ser devastador em todos os segmentos, especialmente na política, afinal, o fake news é a arte de manipular as multidões em virtude de sua linguagem fácil e destinada a um público que já tenha uma opinião desfavorável em relação aos personagens envolvidos na mentira criada.
Ora, sabemos que ele existe, mas afinal, de onde ele veio? Como se deu sua construção? Quais as pessoas que são vulneráveis a isso? Primeiramente, o fake news é o produto da ‘Pós-verdade’ (termo empregado no final da década de 90 pelo dramaturgo Steve Tesich, para ele o mundo teria entrado nesta era em virtude das redes sociais e da própria internet.) A fragmentação das fontes noticiosas criou um mundo atomizado em que mentiras, rumores e fofocas se espalham numa velocidade alarmante.
São elas, as mentiras compartilhadas em rede cujos integrantes confiam mais uns aos outros do que qualquer veículo tradicional fazendo com que tenha aparência de verdade, este cenário que parece ser assustador, traz à tona uma visão muitas vezes confortável que relativiza quando não se omite totalmente a responsabilidade da própria mídia na eclosão deste fenômeno. Em contrapartida, se vivemos no reinado da pós-verdade, por dedução e lógica, teria havido antes uma época de pura verdade na mídia onde o cidadão poderia confiar cegamente.

Texto 03.
“Como acontece com todo neologismo, só o tempo dirá se o conceito de pós-verdade é um modismo passageiro ou se de fato traz algo de útil e relevante para a compreensão de alguns fenômenos associados ao comportamento, às redes sociais e à mídia tradicional. O termo “pós-verdade” foi empregado pela primeira vez em 1992, em um artigo do dramaturgo Steve Tesich na revista “The Nation”, mas ganhou força mesmo em 2016, quando a Oxford Dictionaries, o departamento da Universidade Oxford responsável pela publicação de dicionários, elegeu "pós-verdade" como a palavra do ano da língua inglesa.
A própria delimitação do significado do termo ainda é controversa: em que a pós-verdade se diferencia da mentira? O que há de efetivamente original na ideia de pós-verdade? E, talvez o mais importante: quem decide como e quando classificar alguma notícia impressa ou post do Facebook como típico da era da pós-verdade?”

Proposta 2018E06-A - Dissertação (USP, Unesp, Uniube, etc.)
Faça uma dissertação sobre a relação entre “fake news”, qualidade da educação formal e redes sociais.

Instruções para a dissertação:
1. Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. A redação deverá ter entre 25 e 30 linhas.
3. Dê um título a sua redação.

Para ter acesso ao restante das propostas, clique no "link" abaixo à esquerda.

Proposta 2018E06-B – Outros gêneros textuais – comentário de internet (Unicamp, UEL, UnB, etc.)
Em um comentário de internet que pudesse ser publicado como resposta para uma das perguntas presentes no texto três, escreva o que, para você, diferencia uma mentira de uma “fake news”.

Instruções gerais:
1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
2. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: José ou Josefa. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
3. Não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação.
4. Respeite o mínimo e o máximo de linhas associado à prova de redação para a qual você se prepara. Informe a universidade na folha de redação de forma legível. Contudo, normalmente, o mínimo usado é de 25 linhas e o máximo de 30.

Proposta 2018E06-C - Carta argumentativa (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma carta argumentativa na condição de um leitor em que você se posicione sobre o verbete a respeito da pós-verdade. A carta deve ser endereçada para a universidade de Oxford que é responsável pela publicação do dicionário homônimo em que constou primeiro esse termo.

Proposta 2018E06-D – Artigo de opinião (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Faça um artigo de opinião sobre os riscos da disseminação de “fake News” para o processo eleitoral brasileiro.

Proposta 2018E06-E – Editorial (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva um editorial sobre os riscos para a democracia da consolidação da Era da Pós-verdade.

Instruções UFU:
1. Após a escolha de uma das situações, assinale sua opção no alto da folha de resposta e, ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero selecionado.
2. Se for o caso, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: JOSÉ OU JOSEFA. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Utilize trechos dos textos motivadores (da situação que você selecionou) e parafraseie-os.
5. Não copie trechos dos textos motivadores, ao fazer sua redação.
6. Mínimo de 25 e máximo de 30 linhas.
7. ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.

Proposta 2018E06-F - Dissertação (Enem)
A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “Como combater a disseminação de ‘fake news’?”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.