domingo, 1 de abril de 2018

Redação - Tema 2018N11 - Tecnologia: vício, compulsão e mau uso (UFU, Uniube, Enem, Fuvest, Vunesp, Unicamp e demais vestibulares.)


Tema de redação 2018N11

Texto 01.
“Para Pierre Lévy, o conceito de inteligência coletiva baseia-se no compartilhamento de nossas funções cognitivas – como o raciocínio e a capacidade de pensamento –, com a aptidão que temos para a competição. A ideia de inteligência coletiva, para o filósofo, nasceu junto com a linguagem e não com as tecnologias contemporâneas, mas é evidente que a revolução impulsionada pela vida digital – com cada vez mais recursos que permitem a cooperação – contribui para o exercício do desenvolvimento coletivo.”

Texto 02.
“O Brasil tem 120 milhões de usuários de internet, o quarto maior volume do mundo, atrás de Estados Unidos, Índia e China, mostra relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD). Em 2016, o país foi considerado o segundo que mais usa o WhatsApp, em um levantamento do Mobile Ecosystem Forum (MEF). O primeiro lugar ficou com a África do Sul.
Embora não haja indicadores de quantos, em meio a esse batalhão, são considerados dependentes, estudos dão pistas sobre os riscos.
Uma pesquisa que a consultoria Deloitte divulgou em outubro sobre o uso de celular no dia a dia do brasileiro - com 2 mil entrevistados - mostra, por exemplo, que dois em cada três pais dizem acreditar que seus filhos usam demasiadamente o smartphone. Mais da metade dos que estão em um relacionamento veem excessos por parte dos parceiros e 33% admitem ficar online de madrugada para ver mídias sociais.
"Temos, comparativamente a outros países, uma quantidade de tempo de uso da tecnologia bastante expressiva e aumentando", alerta Nabuco, também autor do livro ‘Internet addiction in Children and Adolescents’ (em tradução livre: O vício em internet entre crianças e adolescentes).”

Texto 03.
“O primeiro smartphone foi criado há mais de 20 anos, e, desde então, está cada vez mais presente na vida das pessoas. Porém, o uso em excesso desse aparelho tem se transformado em um problema de saúde física e mental, especialmente para os adolescentes.
Na semana passada, uma pesquisa da professora de psicologia Jean Twenge, da Universidade Estadual de San Diego, nos Estados Unidos, ganhou destaque em alguns meios de comunicação. Autora de mais de 140 publicações científicas e livros, nos últimos 25 anos ela estudou as diferenças entre gerações e, por volta de 2012, começou a reparar mudanças abruptas no comportamento e no estado emocional dos jovens.
Sua investigação mostrou que os “iGens” – como a autora vem chamando os nascidos entre 1995 e 2012 – possuem comportamentos completamente diferentes dos que os das gerações anteriores. O prognóstico revela toda uma geração que não sai com os amigos, não tem pressa para começar a dirigir, dorme menos, namora menos e faz menos sexo. Juntas, essas características descritas por Jean contribuem para que o telefone celular se torne um potencial catalisador dos casos de depressão e suicídio.
De acordo com o levantamento, os adolescentes que passam três horas por dia ou mais em dispositivos eletrônicos são 35% mais propensos a se suicidarem.
‘Psicologicamente, são jovens mais vulneráveis do que os millenials (geração nascida entre o começo dos anos 1980 e o final dos anos 1990). Não é exagero descrever os iGens como estando no limite da pior crise de saúde mental em décadas, um processo de deterioração que remete ao smartphone”, escreveu Jean Twenge no trabalho.
Impactos. Outro reflexo da ‘smartphonemania’ ocorre no sono dos jovens. Muitos deles, agarrados à telinha, agora dormem menos de sete horas por noite, sendo que os médicos recomendam nove horas de sono, pelo menos.

Texto 04.
“A tecnologia não é ruim, mas seu uso está nos desconectando e escravizando. Chegamos a olhar o celular entre 1.000 a 2.000 vezes por dia. Temos que começar por redefinir nossa relação com a tecnologia: é uma ferramenta, muito útil, mas tem que nos tornar livres. O celular é o novo cigarro: se fico entediada, dou uma olhada nele. Não mande mensagens vazias de emoção, convide seus amigos para um jantar na sua casa.” (Amber Case, 1987-, antropóloga norte-americana)

Texto 05.
“A noção humanística e iluminista do sujeito racional capaz de deliberação e escolha será substituída pela do consumidor conscientemente deliberante e eleitor. Já em construção, um novo tipo de vontade humana triunfará. Este não será o indivíduo liberal que, não faz muito tempo, acreditamos que poderia ser o tema da democracia. O novo ser humano será constituído através e dentro das tecnologias digitais e dos meios computacionais.” (Achille Mbembe, 1957-, historiador, pensador pós-colonial e cientista político camaronês, Ph.D. em História pela Universidade de Sorbonne, França. Professor da Universidade de Duke, EUA.)

Proposta de redação 2018N11-A - Dissertação (USP, Unesp, Uniube, etc.)
O físico Albert Einstein, na primeira metade do século XX, cunhou uma das frases mais duradouras em relação ao avanço tecnológico, a despeito de este ser um processo muito rápido e dinâmico. Ao afirmar que conseguia perceber, já no seu tempo, que a tecnologia produzida pela humanidade havia ultrapassado o que há de humano nos homens, Einstein fez uma constatação que ainda é atual e, possivelmente, ainda mais do que quando ela foi proferida. Diante desse contexto, faça uma dissertação em que se discutam quais setores sociais, formas de relacionamento humano e processos culturais em que as tecnologias de informação e comunicação ultrapassaram de fato a nossa humanidade.

Instruções para a dissertação:
1. Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. A redação deverá ter entre 25 e 30 linhas.
3. Dê um título a sua redação.

Para ter acesso ao restante das propostas, clique no "link" abaixo à esquerda.


Proposta de redação 2018N11-B – Outros gêneros textuais – Carta pessoal (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma carta para um amigo que abusa da tecnologia a ponto de comprometer suas relações sociais, afetivas e profissionais com o intuito de auxiliá-lo a perceber esse quadro e a buscar ajuda para se curar desse mal que acomete cada vez mais pessoas.

Instruções gerais:
1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: José ou Josefa. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação.
5. Quanto ao número mínimo e máximo de linhas e outras especificidades, informe qual o vestibular que você irá prestar para que possamos adequar a correção às exigências do concurso escolhido.

Proposta de redação 2018N11-C - Carta argumentativa (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma carta argumentativa para um chefe de uma empresa de tecnologia de sua escolha com sugestões sobre como usar os próprios meios e ferramentas tecnológicas que ele detém para combater o mau uso e o vício em estar conectado por meio de um “smartphone”, os quais afetam a vida de milhões de pessoas pelo mundo.

Proposta de redação 2018N11-D – Artigo de opinião (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Redija um artigo de opinião sobre como o vício em tecnologia afeta as camadas mais populares da sociedade brasileira.

Proposta de redação 2018N11-E – Editorial (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Faça um editorial acerca da dependência de “smartphones” por parte de pessoas entre 40 e 60 anos.

Instruções UFU:
1. Após a escolha de uma das situações, assinale sua opção no alto da folha de resposta e, ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero selecionado.
2. Se for o caso, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: JOSÉ OU JOSEFA. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Utilize trechos dos textos motivadores (da situação que você selecionou) e parafraseie-os.
5. Não copie trechos dos textos motivadores, ao fazer sua redação.
6. Mínimo de 25 e máximo de 30 linhas.
7. ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.

Proposta de redação 2018N11-F - Dissertação (Enem)
A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “o mau uso e o vício em tecnologia entre jovens brasileiros”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.