sexta-feira, 3 de novembro de 2017

20 temas possíveis para a Redação de vestibulares e Enem 2016 (parte 2), por Estéfani Martins

Licença Creative Commons


O trabalho Opera10 de Estéfani Martins está licenciado com uma Licença 


Baseado no trabalho disponível em www.opera10.com.br.

Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em www.opera10.com.br.


Resultado de imagem para bullying infográfico 11. Trotes, “bullying” e outras formas de violência nas instituições educacionais



Contextualizações, problematizações e propostas de redação

  • Primordialmente, deve ser identificado, reconhecido e tratado como um problema complexo, permanente e de difícil detecção, que é de responsabilidade de todos os envolvidos, a saber: Estado, sociedade, escola, estudantes e famílias.
  • Criação de projetos de formação continuada e obrigatória para educadores em todos os níveis da Educação Básica a respeito das causas, consequências e de como reconhecer o “bullying” no ambiente escolar.
  • Criação de campanhas permanentes e constantes em meios de comunicação de massa que relacionem o “bullying” aos efeitos que causa nas suas vítimas.
  • Estímulo estatal para que todas as escolas tenham a obrigação de criar campanhas e programas preventivos e perenes a respeito do “bullying”.
  • Melhoria e respeito a regras claras, rigorosas e pactuadas por meio do debate no espaço escolar que sejam intolerantes a qualquer tipo de agressão física, psicológica ou moral entre qualquer um dos envolvidos no ambiente das instituições educacionais.

Textos de aprofundamento




Intertextualidades

  • “Ciberbully” – filme.
  • “Tiros em Columbine” – documentário.
  • “Elefante” – filme.
  • “Quase um segredo” – filme.
  • “Bully” – filme.
  • "Na escola as crianças são cruéis: separadas parecem anjos de Deus, mas juntas, sobretudo na escola, são constantemente muito cruéis." (“Os irmãos Karamázov”, Fiódor Dostoiévski)



Interdisciplinaridades

  • A questão da ética entre crianças, muito em função de não serem pessoas totalmente formadas nesse aspecto.
  • Abordagem sobre como a escola ao longo do tempo tratou o "bullying".
  • A questão da tecnologia como forma de ampliar e aprofundar o alcance do "bullying".

Proposta(s) de redação relacionada(s)




Para ter acesso à íntegra da publicação, clique no link abaixo à esquerda.





12. Terrorismo



Contextualizações, problematizações e propostas de redação

  • O terrorismo como conceito é de difícil definição, já que há inúmeras e importantes questões ideológicas que interferem na conceituação dele.
  • Historicamente, o terrorismo tem um forte componente religioso, associado a um contexto de guerra contra os infiéis e de fundamentalismo.
  • Recentemente, é perceptível, especialmente desde o atentado de Boston, um processo de “desinstitucionalização” do terrorismo, que é caracterizado por uma série de ataques praticados por radicais não filiados formalmente a qualquer instituição terrorista, o que dificulta não só a detecção quanto à previsibilidade desses ataques.
  • Há um fenômeno em curso que é a internacionalização ou globalização do terrorismo, o que é possibilitada pela cooperação entre diversos grupos de nacionalidades diferentes e mesmo de motivações diversas.
  • Uma sinergia cada vez mais intensa ocorre entre o crime organizado e o terrorismo, em função de pragmatismo e extremismo aplicado a causa de terroristas. 
  • O suicídio é uma das mais sérias e recorrentes ameaças terroristas, cada vez mais praticados por mulheres e até crianças.
  • Sobre as motivações, além do extremismo religioso, nacionalista ou étnico, há também a pobreza extrema, a falta de acesso à educação laica e a intensa pressão de países ricos sobre os povos da África, Ásia e Oriente Médio desde o Colonialismo, o que resultou em ressentimentos, para muitos, insuperáveis.
  • Progressivamente, o terrorismo age em novas fronteiras como a internet. Na atualidade, ocorre mais como forma de captação de recursos e cooptação de membros. Um exemplo marcante disso é o Estado Islâmico.
  • Entre os principais alvos do terrorismo estão prédios governamentais; bases militares; navios; aeronaves; instituições financeiras, tais como: bancos, Casa da Moeda, Bolsa etc.; locais com aglomerações de pessoas, tais como: jogos, “shows”, cultos, etc.; infraestrutura: represas, usinas de força, redes de transmissão, sistema de abastecimento de água, sistemas de comunicação, sistemas de transporte, redes de computadores, etc.; monumentos públicos simbólicos; etc.
  • Caracteriza-se também pela dificuldade ou mesmo impossibilidade de se negociar pelo caráter altamente doutrinário e extremista das causas que motivam esses grupos.
  • Os alvos são escolhidos também para infligir dano tanto material como humano, no intuito de causar terror ou mesmo a paralisação de um Estado. Daí, quanto mais morte e destruição melhor para os objetivos da maior parte dos grupos terroristas.
  • Não se pode ignorar também a existência de um terror praticado por Estados em busca de se manter no poder ou até ampliá-lo. Nesse sentido, alguns cientistas sociais e historiadores entendem como terroristas práticas contra o povo no governo de Mao Tsé Tung, de Stalin e de ditadores em geral, tal como nas Ditaduras Militares na América Latina, ou mesmo o intervencionismo norte-americano em inúmeros países no mundo.
  • A mensagem associada a um ataque terrorista convencional direcionada a uma determinada população com o intuito de causar pânico é que o Governo não pode proteger a população, os símbolos de autoridade dele, as instituições governamentais, a ordem e a paz, por isso é fraco e deve capitular diante da vontade de um determinado grupo terrorista.

Textos de aprofundamento











Intertextualidades

  • “Munique” - filme.
  • "Syriana" - filme.
  • “Farenheit 09/11” - documentário.
  • "A hora mais escura" - filme.
  • "Ameaça terrorista" - filme.
  • "Guerra ao terror" - filme.
  • "As torres gêmeas" - filme.
  • "11 de setembro" - documentário.
  • “o terrorismo é uma etapa de uma seqüência de ações que visa a produzir um fim político desejado, sendo melhor caracterizado, portanto, como parte de uma estratégia, algo que definimos como um estratagema.” (DINIZ, Eugênio. Compreendendo o Fenômeno do Terrorismo. IN BRIGADÃO, C. e PROENÇA JR, D. Paz e Terrorismo. Ed. Hucitec, São Paulo, 2004, p. 197 a 222).
  • “Uso ilegítimo da força contra pessoas ou propriedades para intimidar ou coagir governos ou sociedades, muitas vezes com fins políticos, religiosos ou ideológicos” (Departamento de Estado dos EUA)
  • “uso ilegítimo da força ou violência contra pessoas ou propriedades para intimidar ou coagir governos, a população civil, ou qualquer segmento, com fins políticos ou sociais” (FBI)
  • “instrumento de política externa” (Louise Richardson, no trabalho “Global Rebels”)
  • “Crime de terrorismo. 1. A pessoa é culpada de um crime de terrorismo quando, com a intenção de intimidar ou coagir a população civil, influenciar a política ou a unidade governamental pela intimidação ou coerção, ou afetar a condução de uma unidade do governo pelo assassinato, homicídio ou sequestro.” (Direito penal do Estado de Nova Iorque)
  • “Repúdio ao terrorismo e ao racismo – art. 4º Princípios de Relações Internacionais"; "crime inafiançável e insuscetível de graça e anistia". Art. 5º, XLIII; "Lei 8.072/1990 – lei dos crimes hediondos – equipara o terrorismo aos crimes hediondos prevendo mecanismos de repressão similares como impossibilidade de anistia, graça e indulto; impossibilidade de livramento sob fiança, regime de cumprimento da pena de 2/3 para benefícios do sursis."; "Terrorismo é citado brevemente na Lei de Segurança Nacional (L. 7.170, de 1983) – ATOS DE TERRORISMO. O artigo 20 define como crime ‘praticar atentado pessoal ou atos de terrorismo, por inconformismo político ou para obtenção de fundos destinados à manutenção de organizações políticas clandestinas ou subversivas’. A pena é prisão de 3 a 10 anos." (Direito brasileiro, vários documentos).
  • “Uso de métodos não convencionais (armas químicas, biológicas, aviões, transportes, suicidas etc.) para pressionar governos; causar medo na utilização de serviços públicos – transportes, escolas, hospitais etc. por parte da população; baseado em ação premeditada e perpetrada por grupos clandestinos ou subnacionais. Tem normalmente não combatentes como alvos principais.” (Paulo Pillar, adaptado)
  • “A essência do terrorismo é o intento em induzir medo na sociedade, não visando somente sua vítima direta, fazendo o governo ou a sociedade mudar seu comportamento político.” (David Whittaker)
  • “método de ação, e não uma lógica de ação. O fim do terror não é formar o contra-estado, como é na insurgência, mas um método, estratagema para pressionar o governo.” (Tom Marks – “insurgency in a time of terrorism”)
  • “Uso da violência ou ameaça desta com fins políticos para atemorizar mais que o alvo direto, causar terror na sociedade, no grupo. É conduzido por uma organização estruturada, organizada que executa uma ação planejada, calculada.” (Bruce Hoffman)

Interdisciplinaridades
  • Análise histórica do terrorismo.
  • Conceituação do terrorismo a partir de referenciais sociológicos ou políticos.
  • Aspectos geopolíticos do terrorismo.


Proposta(s) de redação relacionada(s)





Resultado de imagem para obesidade infográfico
13. Obesidade

Contextualizações, problematizações e propostas de redação
  • A obesidade acomete um número impressionante de pessoas no mundo, segundo alguns dados, pode chegar a 30 por cento dos adultos e cerca de 20 por cento das crianças.
  • A obesidade é uma doença que pode se tornar ainda mais grave quando combinada com duas doenças muito comuns na atualidade: hipertensão e diabetes.
  • Revisão da disciplina de Educação Física como uma oportunidade fundamental para incutir hábitos saudáveis em jovens ao longo da sua formação escolar.
  • Revisar as regulamentações técnicas vigentes a respeito da quantidade e o tipo de gordura, sal e açúcar presentes em alimentos industrializados, a fim de que sejam diminuídos e substituídos por variações mais saudáveis. 
  • Combater a vinculação midiática e propagandística entre comida e brinquedos ou iconografia infantil de qualquer natureza, salvo em casos de alimentos considerados saudáveis para crianças, segundo critérios científicos.
  • Criação de situações em que se debata periódica ou continuamente em escolas os hábitos alimentares atuais, a fim de que as pessoas possam crescer informadas a respeito dos riscos de se alimentar de maneira equivocada do ponto de vista médico ou mesmo desregrada. 
  • Estímulo mais intenso e frequente por meio de políticas públicas ou iniciativas privadas a atividades físicas que combatam a tendência do homem moderno de comer mais e alimentos mais calóricos ao mesmo tempo que gasta menos energia.
  • Combate por meio de conscientização midiática do preconceito contra obesos que os tacha de pessoas desavergonhadas, de caráter fraco ou preguiçosas.

Textos de aprofundamento


Intertextualidades
  • "Wall-E" - animação.
  • “Dieta do palhaço”, em inglês “Super size me” - documentário.
  • “Muito além do peso” - documentário.
  • “Preciosa” - filme.
  • "Food Matters" ("O Alimento é Importante") - documentário.
  • "Planeat" - documentário.
  • "Hungry for change" ("Faminto por mudança") - documentário.
  • "Fat, sick e nearly dead" ("Gordo, doente e quase morto") - documentário.
  • “Na era pós-moderna, a configuração da identidade pessoal é num sentido decisivo, um projeto corporal. Podemos observar que o corpo tende a se tornar cada vez mais seminal para uma compreensão da identidade pessoal. O ego é constituído em grande parte por meio da apresentação do corpo. E possível ver isto em relação a varias práticas, como o ascetismo ou uma dieta, que outrora tinham uma finalidade mais espiritual, mas agora tem a ver principalmente com a moldagem do corpo. Foi só no fim do período vitoriano que as pessoas começaram a fazer dietas com o objetivo de alcançar um ideal especificamente estético. Sem dúvida, na cultura helênica, a aristocracia mantinha um ideal de moderação de consumo de alimentos porque isso indicava autocontrole. De maneira semelhante, jejuar era uma prática cristã central na Idade Média, indicando que o espírito era mais forte que a carne. Mas a diferença decisiva era que essas práticas tinham menos a ver com o corpo por si só que com o espírito nele alojado. Além disso, elas eram observadas sobretudo nos escalões mais altos da sociedade. A dieta do final do período vitoriano, por outro lado, foi um fenômeno que se difundiu na classe média e estava relacionada com a regulação do consumo de alimentos, de tal modo que disso resultasse um corpo idealizado, esbelto. Seus aspectos ‘espirituais’ eram claramente secundários. Isso não quer dizer que conotações ‘espirituais’ estivessem de todo ausentes. A obesidade era considerada, e em grande medida ainda é, um indicador de qualidades morais e mentais como preguiça e falta de força de vontade. O importante é que não era para combater essas qualidades mentais que a dieta era empreendida: o que a motivava era o desejo de moldar o corpo, não a alma. Desde então, essa tendência só se intensificou.” (Lars Svendsen em "Moda: uma filosofia")
  • “Nenhum gordo gosta de ser gordo. Sobe na balança e tem um incoercível pudor, uma vergonha convulsiva do próprio peso. E, no entanto, veja: pior do que ser gordo é o inverso, quer dizer, pior do que ser gordo é ser magro. É preciso ver os magros com a pulga atrás da orelha. São perigosos, suscetíveis de paixões, de rancores, de fúrias tremendas. E, até hoje, que eu me lembre, todos os canalhas que conheci são, fatalmente, magros. A banha lubrifica as reações, amacia os sentimentos, amortece os ódios, predispõe ao amor. Nós temos, aqui, um preconceito, de todo improcedente, contra a barriga. Erro crasso. Na verdade, há uma relação sutil, mas indiscutível, entre a barriga e o êxito, entre a barriga e a glória.” (Nelson Rodrigues - contista, cronista, dramaturgo e jornalista brasileiro)
  • “Como a dieta, o fisiculturismo e tantas outras coisas, a corrida é uma nova forma de servidão voluntária.” (Baudrillard)
  • "Comecei uma dieta, cortei a bebida e alguns pratos e, em catorze dias, perdi duas semanas." (Joe E. Lewis)

Interdisciplinaridades
  • Os impactos da obesidade na saúde humana.
  • Análise dos custos da obesidade para a saúde pública.
  • A questão da depressão associada à obesidade.
  • Os transtornos alimentares e a obesidade.
  • A obesidade e a alimentação calórica e pouco nutritiva como resultado de um processo de um processo que, cada vez mais, pode-se relacionar nível sócio-econômico com peso e saúde.

Proposta(s) de redação relacionada(s)









14. Lixo , reciclagem, sustentabilidade e gestão de resíduos



Contextualizações, problematizações e propostas de redação 

  • Criação de políticas de longo prazo, realistas, ecologicamente sustentáveis e eficientes de gestão do lixo no Brasil por meio do debate científico que deverá pautar sempre as decisões políticas nesse contexto. 
  • Aplicação de leis severas que favoreçam a reciclagem em grande escala, em especial, de plásticos, metais e eletrônicos, por meio de incentivos fiscais a empresas que se envolverem nesses programas. 
  • Sobretaxação dos produtos de indústrias que não favoreçam o uso de material de reciclagem em suas linhas de produção ou das empresas que não favoreçam ou estimulem a coleta e a reciclagem dos seus próprios produtos, especialmente eletrônicos. 
  • Intensificação das políticas de subsídios para as empresas que investem em alternativas para racionalização do uso de matérias primas, reciclagem e sustentabilidade em suas linhas de produção. 
  • Criação de campanhas permanentes e constantes que relacionem de forma convincente o consumo à geração de lixo como estratégia para combater práticas consumistas ecologicamente inviáveis. 
  • Criação de políticas para repensar os materiais com os quais os produtos são feitos de forma a favorecer a produção deles com matérias-primas mais facilmente recicláveis ou mais duráveis O intuito geral de leis ou regulamentos como esses é combater a obsolescência programada. 
  • Estímulo para a volta em grande escala das embalagens retornáveis como forma de diminuir a produção de plástico e outras matérias-primas identificadas com a indústria dos descartáveis (copos descartáveis, garrafas PET, embalagens “tetrapack”, garrafas “longneck” não retornáveis, etc.). 
  • Criação de leis mais severas para estimular a mineração, a pecuária e a agricultura a reduzir drasticamente a quantidade de lixo que produzem já que são responsáveis por mais de 90 por cento de todo lixo produzido no planeta. 
  • Fomento da pesquisa em universidades públicas sobre meios alternativos para a sociedade lidar com lixo em grande escala de forma positiva para a maioria, barata e sustentável ecologicamente. 
  • Criar meios variados de educar a população sobre como restos e resíduos orgânicos jogados no lixo podem ser usados na produção de alimentos mais saudáveis, na produção de adubo orgânico, na produção de sabão, etc. 
  • Tornar nacionais as leis que obriguem todos os municípios a favorecer a coleta seletiva de lixo. 
Textos de aprofundamento

Intertextualidades 
  • “Ilha das flores” - curta-metragem. 
  • “Lixo extraordinário” - documentário. 
  • “Wall-E”, animação.
  • "A história das coisas" - documentário.
  • “Home” - documentário.
  • "A história secreta da obsolescência programada" - documentário.
  • https://www.youtube.com/watch?v=5tKuaOllo_0

Interdisciplinaridades 
  • Aspectos indicados pela Geografia sobre como tratar resíduos. 
  • Relação entre Revolução Industrial e aumento da geração de resíduos. 
  • Relação entre a urbanização e aumento da geração de resíduos. 

Proposta(s) de redação relacionada(s) 



15. "Medicalização" da vida



Contextualizações, problematizações e propostas de redação

  • O abuso de medicação tem levado em alguns casos dificuldades comuns de pessoas relativas à dificuldade de estudar, de concentrar-se e de controlar a ansiedade ao patamar de transtornos sérios de origem psiquiátrica. 
  • O julgamento médico de muitas doenças associadas à "medicalização" como o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é clínico, o que pode produzir dificuldades quanto a sua precisão, embora não se possa afirmar que essa doença não exista, a questão é sobre o abuso de diagnósticos. 
  • Muitas pessoas, para evitar sofrimentos corriqueiros da vida, têm feito uso de remédios de forma abusiva como meio de atenuá-los ou neutralizá-los.
  • Para parte da comunidade científica, houve nas últimas décadas uma ampliação significativa das doenças reconhecidas, especialmente as psiquiátricas, o que fez aumentar muito os diagnósticos associados ao luto, à dificuldade escolar, à dificuldade de concentração, etc., que muitas vezes não são adequados, o que leva ao abuso de medicações perigosas. Enfim, houve uma banalização dos diagnósticos ou da especificação do que pode ser considerado uma doença, mas é importante salientar que o abuso não pode desqualificar o uso adequado, pois há sérias doenças que devem ser tratadas com remédios, mas de forma coerente ética e sanitariamente.
  • A cultura da competição e da urgência que tomou a vida da maioria das pessoas no mundo, em especial nos países ricos e emergentes, produziu um cenário muito propício para a medicalização da vida.
  • A automedicação também é um aspecto desse debate em função da forma como muitas pessoas automedicam-se e medicam outras sem qualquer acompanhamento ou indicação médica.
  • 10 remédios mais vendidos no Brasil em 2013, segundo a consultoria IMS Health.
    1- Neosoro (descongestionante nasal)
    2- Puran T4 (hormônio tireoidiano)
    3- Salonpas (analgésico e anti-inflamatório)
    4- Cliclo 21 (anticoncepcional)
    5- Microvlar (anticoncepcional)
    6- Buscopan Composto (analgésico e antiespasmódico)
    7-Rivotril (anticonvulsivante e ansiolítico)
    8- Dorflex (analgésico)
    9- Glifage (antidiabético)
  • 10- Hipoglós (pomada para assaduras)

Textos de aprofundamento













Intertextualidades
  • "Transformamos problemas cotidianos em transtornos mentais." (Allen Frances)
  • "Há mais mortes por abuso de medicamentos do que por consumo de drogas." (Allen Frances)
  • "Mental" - série.
  • "House" - série.


Interdisciplinaridades

  • Explorar questões associadas a história da indústria farmacêutica e suas relações nem sempre éticas com a política e a classe médica.
  • Discutir os efeitos possíveis do abuso dos remédios mais usados no Brasil.



Proposta(s) de redação relacionada(s)

http://www.opera10.com.br/2015/08/redacao-proposta-2015-53-medicalizacao.html

Imagem relacionada

16. Adoção

Contextualizações, problematizações e propostas de redação
  • A questão do número de famílias seis vezes maior do que o de crianças aptas para adoção no Brasil.
  • A questão do Estatuto da Família em discussão no Poder Legislativo e a adoção de crianças por pessoas solteiras e casais homossexuais.
  • A vida em orfanatos, casas de acolhimento e lares provisórios, quais os efeitos do abandono na mente de uma criança.
  • Adoção como uma forma de inclusão social.
  • As dificuldades do processo de adoção e a burocracia.
  • A necessidade de terapia  para as famílias que adotam e para os adotados: necessidade específica ou contínua?
  • O grande número de crianças sem condição para serem adotadas, mas sem uma família para a voltar.
  • As dificuldades burocráticas e associadas ao preconceito por casais homossexuais em processo de adoção.


Textos de aprofundamento



Intertextualidades
  • "O menino de ouro" - filme.
  • "Me malvado favorito" - animação.
  • "Juno" - filme.
  • "Uma família inesperada" - filme.
  • "A.I." ("Inteligência artificial") - filme.
  • "Ensinando a viver" - filme.
  • "Um sonho possível" - filme.

Interdisciplinaridades

  • A história da adoção. Os novos direitos do adotado a partir da Constituição de 1988.
  • Os aspectos psicológicos do abandono e da orfandade.
  • As vantagens sociais, emocionais, afetivas e econômicas para o indivíduo adotado, frente ao custo social de crianças em orfanatos.
  • os pressupostos éticos da adoção e os deveres dos pais em relação ao adotado.

Proposta(s) de redação relacionada(s)
http://www.opera10.com.br/2015/09/redacao-proposta-2015-56-adocao-de.html

17. "Doping" e ética no esporte 



Contextualizações, problematizações e propostas de redação


  • O "doping" fere o princípio da isonomia de oportunidades de vitória pretensamente existente no esporte. Isso é para muitos uma incoerência já que, em função de aspectos como qualidade do treinamento, comida, incentivo, etc., o esporte é desigual desde o início da preparação do atletas medalhistas olímpicos em relação aqueles que, por razões que são econômicas, culturais, guerras, etc., não podem se preparar com a mesma eficiência.
  • O "doping" parece estar frequentemente adiantado em relação aos meios de detectá-lo, ou seja, é necessário um investimento maciço em ciência aplicada do esporte para diminuir expressivamente a chance de alguém se dopar e não ser detectado.
  • Os testes "antidoping" devem ser mais frequentes, em especial, nos atletas já pegos e nos que fazem parte da elite de qualquer esporte olímpico.
  • O "doping", além de prejudicar a lisura do esporte, também prejudica o aspecto motivador dele para pessoas doentes ou necessitadas de estímulo que grandes feitos de esportistas podem representar.
  • Um dos dificultadores da detecção do "doping" é que a maioria das substâncias usadas são de uso clínico, ou seja, podem ser usadas legalmente por qualquer pessoa desde que receitadas por um médico. 

Textos de aprofundamento 



Intertextualidades 



  • "Atleta que não usa nada é como um Fusca competindo com Fórmula 1. Se ouço o slogan ’Esporte é saúde’, morro de rir." (Enzo Perondini)
  • "Doping" ("Rebound, a lenda de Earl Manigaut") - filme.
  • "The program" - filme sobre Lance Armstrong.
  • "Pantani, a morte acidental de um ciclista" - docuementário.
  • "O dinheiro leva ao 'doping'." (Ben Johnson)
  • "Mais rápido, mais alto, mais forte” (Lema olímpico por Pierre de Coubertin)



Interdisciplinaridades 



  • Os riscos para a saúde dos usuários de drogas ou técnicas para melhorar o desempenho em competições.
  • A forma como atuam no corpo as drogas associados ao "doping".
  • A questão da ética associada à competição esportiva.



Proposta(s) de redação relacionada(s) 





18. Justiça, vingança e “justiceiros” 


Contextualizações, problematizações e propostas de redação 

  • Ataques violentos e linchamentos voltaram a ser manchete no Brasil em função da descrença de parte significativa da população em relação às políticas públicas de segurança.
  • Uma das principais justificativas dos chamados "justiceiros" para o que fazem é a falta de segurança pública. Dessa forma, é interessante refletir a respeito de como melhorar a condição desse direito de todo cidadão. Entre outras medidas, destacam-se as seguintes como alternativas para promover mais segurança pública para os cidadãos brasileiros: diferenciar razões sociais das pessoais, das patológicas e das conjunturais para os altos índices de violência, especialmente, na zona urbana; qualificar continuamente todas as polícias para que possam atuar de forma efetiva e humana contra aqueles que ameaçam a segurança pública;  ampliar o acesso aos serviços públicos por parte da população carente e o poder de intervenção do Estado nas periferias; dividir renda de forma justa e associada com a promoção do trabalho, ou seja, criar meios de diminuir a antiética desigualdade social no Brasil; uma educação mais inclusiva e produtiva pode democratizar o acesso a oportunidades; tentar minimizar as conseqüências do estresse na vida das pessoas de todas as classes sociais por meio de diversas atividades associadas ao exercício físico e ao trabalho médico e psicológico; reforço e ampliação da fiscalização de fronteiras para dificultar a entrada de armas no Brasil; diminuir ou acabar com a certeza da impunidade entre os criminosos, principalmente, entre aqueles com mais poder aquisitivo; desenvolver campanhas educativas nos Meios de Comunicação de Massa e nas escolas a fim de promover meios de as pessoas ajudarem no combate a criminosos e a organizações criminosas; etc.
  • Estabelecer regras de conduta mais rígidas e medidas educativas para prevenir que policiais e forças estatais de segurança excedam suas prerrogativas e funções ao atuarem como justiceiros ou grupos de extermínio. 
  • Reaparelhar e modernizar o sistema penitenciário para que ao punir os criminosos o Estado não se aproxime deles nos métodos e na conduta. Além disso, a ideia da reclusão é tornar o criminoso apto para voltar a sociedade, e não o contrário. 
  • Fiscalizar e modernizar o sistema judiciário, para que as sentenças sejam mais rápidas, mais justas e menos parciais. 
  • Combate ao crime organizado e ao poder paralelo em especial no campo econômico para dificultar a lavagem de dinheiro e a evasão de divisas. 
  • Investir em mais espaços de convivência para a população carente ter mais acesso à cultura, ao esporte e ao lazer. 
  • Garantir condições urbanísticas que aliviem o estresse provocado pelo trânsito, pelo calor, pelas multidões, ou seja, investir em arborização, ampliação das vias públicas, melhoria do transporte público, etc. 
  • Legalização ou descriminalização das drogas.


Textos de aprofundamento 




Intertextualidades
  • “Watchmen” - quadrinho e filme. 
  • “Batman” - quadrinho e filme. 
  • “O ato de matar” - documentário. 
  • “Tropa de elite” - filme.
  • “A justiça falha e tarda.” (Wally Salomão)
  • "A justiça sem a força e a força sem a justiça, desgraças horrorosas. " (Joseph Joubert) 
  • "O país precisa de uma justiça mais barata, mais acessível, mais perto do povo e principalmente mais rápida. Justiça demorada é a sua negação." (Marcio Thomaz Bastos)
  • "A injustiça que se faz a um é uma ameaça que se faz a todos." (Montesquieu)
  • "Eu não troco a justiça pela soberba. Eu não deixo o direito pela força. Eu não esqueço a fraternidade pela tolerância. Eu não substituo a fé pela superstição, a realidade pelo ídolo." (Rui Barbosa)
  • "A justiça é a vingança do homem em sociedade, como a vingança é a justiça do homem em estado selvagem." (Epicuro)

Interdisciplinaridades 
  • Aspectos sociológicos da violência. 
  • A ausência do Estado nas regiões e nos contextos em que os “justiceiros” atuam.
  • Análise política e ideológica do perfil amplo e multifacetado dos grupos de extermínio e de “justiceiros” no Brasil. 

Proposta(s) de redação relacionada(s) 



Resultado de imagem para pessoas com deficiencia
19. Inclusão da pessoa com deficiência 

Contextualizações, problematizações e propostas de redação 
  • A origem do preconceito contra as variadas formas de deficiência deve-se a questões associadas muitas vezes ao princípio da sobrevivência que governou as ações e as escolhas de povos pré-históricos até espartanos, ainda que em muitos lugares e situações pode ser determinante para promover atitudes preconceituosas contra pessoas com alguma deficiência. 
  • A questão econômica associada ao poder de consumo via de regra reduzido de deficientes em função de sua própria condição ou mesmo do preconceito da sociedade é relevante para entender como esse grupo de pessoas tem mais dificuldade de se inserir, por exemplo, no mercado de trabalho. 
  • Outro ponto que merece atenção é o fato de categorias associadas a princípios orientadores da ideia de beleza de forma quase universal estarem quase sempre ligados a simetria e harmonia, por exemplo, o que são aspectos normalmente desassociados da maioria dos tipos de deficiência. 
  • A incompreensão da sociedade sobre diversas condições como a da Síndrome de Down entre outras doenças genéticas; da paraplegia; de problemas neurais que afetam movimentos, fala; etc.; aumenta muito a dificuldade dessas pessoas serem aceitas não só no mercado de trabalho, mas também mesmo entre os familiares deles. 
  • A discussão sobre cotas para deficientes na política, em empresas privadas e no funcionalismo público. 
  • A questão a respeito de como a burocracia excessiva do Estado pode dificultar ainda mais a integração de todos os tipos de deficientes em função da dificuldade de possibilitar o acesso deles a serviços públicos, direitos adquiridos, etc. 
  • A necessidade de discussão em escolas sobre a condição das pessoas com deficiência com o intuito de não só integrá-los como alunos, mas também de preparar a todos para a convivência produtiva e respeitosa em sociedade. 

Textos de aprofundamento 





Intertextualidades 
  • “Procurando Nemo” - animação. 
  • “Os intocáveis”, França - filme. 
  • “Do luto à luta” - documentário.
  • "O segredo de Beethoven" - filme.
  • "Nascido em 4 de julho" - filme.
  • "Meu pé esquerdo" - filme.
  • "Mar adentro" - filme.
  • "Forrest gump" - filme.
  • "Uma mente brilhante" - filme.
  • "O escafandro e a borboleta" - filme.
  • "Perfume de mulher" - filme.
  • "Demolidor" - filme e série.
  • "Ray" - filme.
  • "Os melhores dias de nossas vidas" - filme.
  • "Hasta la vista" - filme.
  • "Feliz ano velho" - filme.

Interdisciplinaridades 
  • Discutir os limites da arquitetura e da urbanidade em relação às diferentes formas de deficiência.
  • Discutir as privações que deficiências podem produzir e como a sociedade pode agir para minimizar essas limitações.

Proposta(s) de redação relacionada(s) 








20. Reforma política

Contextualizações, problematizações e propostas de redação 
  • Para a manutenção da democracia, é fundamental a defesa contínua e ampla do estado laico e o mais distanciado das questões puramente econômicas possível para que se garanta instituições públicas imparciais e interessadas no bem comum. 
  • Para muitos, é interessante até um Estado menor e menos atuante na economia, na infraestrutura, etc., como meio de combater a corrupção.
  • Entre outras formas de combater os problemas na política que geraram o interessante por uma reforma nessa campo, é fundamental a criação, a ampliação, o fomento e a manutenção de programas que ampliem o acesso à informação por meio da internet banda larga, de bibliotecas, etc. 
  • Devem ser criadas campanhas em que se divulgue amplamente a Lei de Transparência sobre dados do Governo, “sites” como o transparencia.org.br, etc. 
  • Mobilização por mais situações em que se oportunize formas mais diretas de democracia como iniciativas populares, plebiscitos e referendos. 
  • Tramitação de uma reforma política que priorize paridade gênero entre os eleitos para o Legislativo, impedimento efetivo da prática comum de grupos políticos controlarem meios de comunicação de massa, financiamento privado de campanha, etc.; por exemplo. Importante salientar que é importante que se conheça o que pode ser mudado com uma reforma política para que o candidato possa criar a versão dele ou que apoie conscientemente a de um grupo político ou instituição, tais como: OAB, CNBB, partidos políticos, etc.
  • Estabelecimento de uma nova Assembleia Constituinte para revisar não só as regras que remetem ao fazer político, mas a todas as questões abordadas pela Constituição em vigência.

Textos de aprofundamento 
Intertextualidades 
  • “House of cards” - série.
  • "Felizes para sempre" - mini-série.
  • “Scandal” - série. 
  • “Tropa de elite 2” - filme.
  • “O invasor” - filme.
  • “Brasília 18%” - filme.
  • “Quanto vale ou é por quilo?” - filme.
  • “Cronicamente inviável” - filme.
  • “O grande Kilapy” - filme.
  • "Trabalho interno" - documentário.
  • “Em política, o que te dizem nunca é tão importante quanto o que você ouve sem querer.” (Millôr Fernandes)
  • “É verdade que há vários idiotas no Congresso. Mas os idiotas constituem boa parte da população e devem estar bem representados.” [Hubert Humphrey, vice-presidente dos Estados Unidos na administração de Lyndon Johnson (1908-1973).]
  • “Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos pelo mesmo motivo.” (Eça de Queiróz)
  • “A política talvez seja a única profissão para a qual não se julga necessária uma preparação.” (Robert Louis Stevenson)
  • “Democracia é quando eu mando em você, ditadura é quando você manda em mim.” (Millôr Fernandes) 
  • “É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer; mas a liberdade política não consiste nisso. Num Estado, isto é, numa sociedade em que há leis, a liberdade não pode consistir senão em poder fazer o que se deve querer e em não ser constrangido a fazer o que não se deve desejar. Deve-se ter sempre em mente o que é independência e o que é liberdade. A liberdade é o direito de fazer tudo o que as leis permitem; se um cidadão pudesse fazer tudo o que elas proíbem, não teria mais liberdade, porque os outros também teriam tal poder.” (MONTESQUIEU, Charles. “Do espírito das leis”. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p.155-156.) 

Interdisciplinaridades 
  • Abordagem histórica das leis associadas à política no Brasil.
  • Discussão sobre outras formas de governar como o Parlamentarismo.
  • Análise sobre como a burocracia favorece a corrupção no Brasil e sobre como poderia ser usada para dificultá-la.

Proposta(s) de redação relacionada(s) 



Atenção 1
Atenção 2
Abaixo seguem os temas já cobrados nas provas de redação do Enem, tanto nos exames regulares quanto nos aplicados em presídios, cancelados e reaplicados.


Abraços e bom trabalho,