domingo, 23 de abril de 2017

Atualidades - Leituras e indicações - Propostas 2017V21 (direito à privacidade) e 2017V22 (tráfico humano)


Caras e caros,

Bom dia. Depois do feriado prolongado da semana passada, que dei uma folga para todos nós, daí a falta de publicações no último fim de semana, volto com novas propostas de redação e nova lista de atualdades. Agora iremos sem folgas até o fim deste semestre. 
Os destaque dessa coletânea de textos e referências são o vídeo sobre a exposição de Anitta Malfati que completa 100 anos em 2017 e foi fundamental para a eclosão do Modernismo na Arte no Brasil e os textos sobre desemprego e formação de professores abaixo.

Tx2017-112

Tx2017-113

Tx2017-114

Direito à privacidade - Proposta 2017V21
Tx2017-115
http://super.abril.com.br/historia/privacidade/
Tx2017-116
https://jus.com.br/artigos/27972/o-direito-a-privacidade-frente-aos-avancos-tecnologicos-na-sociedade-da-informacao
Tx2017-117
Proposta de redação

Tráfico humano - Proposta 2017V22
Tx2017-118
Tx2017-119
Tx2017-120
Proposta de redação

Indicação In2017-23
Nota: mais um vídeo muito interessante do Nerdologia que trata da questão da imortalidade sob uma perspectiva  biológica. 

Indicação In2017-24
Nota: vídeo breve, mas rico, sobre uma das pessoas mais importantes para a história da arte brasileira. Foi responável junto a outros artistas a redefinir a ideia de arte que se fazia no Brasil a partir de vanguardas artísticas e de um senso de ruptura com a arte acadêmica que predominou na produção artística brasileira ao longo do século XIX.

Abraços,

Professor Estéfani Martins

Redação - Proposta 2017V21 - direito à privacidade (UFU, Enem e demais vestibulares.)

Leia atentamente os textos abaixo.

Texto 01.
“Em tempos pós-Snowden, a privacidade se tornou um assunto caro a usuários da internet. Além da preocupação com o monitoramento de agências de inteligência, estão as empresas de internet, tão conhecidas de todos nós, como Google e Facebook. Mas afinal, quais dados são de fato armazenados por essas empresas além daqueles que já entregamos de bandeja na hora de preencher um cadastro?
Atualmente, Google e Facebook podem entrar em contato com, praticamente, qualquer informação pessoal do usuário: conversas, imagens postadas, vídeos assistidos, locais visitados, melhores amigos e até futuros relacionamentos.
É possível impedir que ao menos parte desses dados sejam coletados ou compartilhados com empresas terceiras que nem sabemos quais são?”

Texto 02.
“Mas quais são os reais riscos de privacidade com o Big Data?
As fotos que você compartilha em uma rede social, os e-mails que você troca, as pesquisas feitas em buscadores por exemplo, geram dados sobre o seu perfil de usuário na Internet. Essas informações são captadas por diversas empresas, muitas vezes sem o real consentimento dos usuários. A área da saúde (testes clínicos, exames médicos, entre outros), Smart Grid e até mesmo a Cloud Computing se beneficiam desses dados, por exemplo. Porém, eles oferecem riscos de privacidade por trabalharem com informações que, na maioria dos casos, não são anônimas.
Por exemplo, dados de relatórios médicos são vendidos para empresas de análise criando o risco de serem usadas para rastrear a identidade dos pacientes. Há um burburinho enorme com relação à medicina personalizada, que promete drogas e terapias mais específicas para o problema de cada indivíduo. A promessa é interessante para trazer melhorias à medicina, mas a análise de dados se baseia na identificação pessoal em níveis celulares e genéticos, o que pode trazer grandes riscos se usada inapropriadamente.
Outro exemplo interessante que pode trazer riscos para a privacidade são as iniciativas de Smart Grid, projeto de Big Data que pretende melhorar a eficiência da distribuição de energia para as casas e empresas através da análise dos dados de consumo de energia. Com isso, é possível que o Smart Grid preveja não só quanto e como usamos nossa energia, mas também informações mais específicas como a hora em que tomamos banho, a hora em que jantamos, quanto tempo gastamos em cada cômodo da casa, o que estamos fazendo e até a hora em que vamos dormir, visto que a maioria das atividades feitas dentro de casa são feitas com equipamentos eletrônicos.”

Texto 03.
“A privacidade é um direito fundamental de qualquer cidadão, consagrado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1948. Não é difícil imaginar por quê. Só livre da constante fiscalização do Estado e dos poderosos o cidadão pode exercer a liberdade de expressão e de organização, enunciadas em um texto ainda mais antigo, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, documento culminante da Revolução Francesa (1789) e que serviu de inspiração para a publicação da ONU.
Antes mesmo da declaração francesa, leis de direitos civis na Inglaterra do século 17 já proibiam a Coroa de interceptar cartas ou invadir domicílios sem autorização judicial. Na época, o que se queria proibir era a violação das casas por coletores de impostos. Garantir esse direito, em última instância, é zelar pela democracia, à qual a privacidade está intimamente ligada.
Nos últimos anos, o advento da internet ampliou a liberdade de expressão e o acesso de direitos civis, como a cultura e a educação, a tal ponto que a ONU declarou, em 2011, o acesso à rede como direito fundamental do ser humano. Paralelamente, porém, a preocupação da comunidade internacional com a garantia à privacidade na internet é crescente.”

Texto 04.

Texto 04.

Situação 2017V21-A - Dissertação (USP, UFU, Unesp, Uniube, etc.)
Faça uma dissertação sobre como a Era da Informação transformou a privacidade em um luxo para poucos.

Instruções:
1. Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. A redação deverá ter entre 25 e 30 linhas.
3. Dê um título a sua redação.

Situação 2017V21-B – Outros gêneros textuais – manifesto (Unicamp, UEL, etc.)
Escreva um manifesto sobre o direito à privacidade. Nele, você deverá indicar formas das pessoas preservarem esse direito previsto na Declaração dos Direitos Humanos.

Instruções gerais:
1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: José ou Josefa. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Utilize trechos dos textos motivadores (da situação que você selecionou) e parafraseie-os.
5. Não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação.
6. Quanto ao número mínimo e máximo de linhas e de acordo com o vestibular pretendido, informe qual o vestibular que você irá prestar para que possamos adequar a correção às exigências do concurso escolhido.

Situação 2017V21-C - Carta argumentativa (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma carta argumentativa a um aplicativo ou serviço digital de sua preferência com argumentos e solicitações de mudanças sobre a forma como os termos de serviço são construídos e apresentados para os seus usuários.

Situação 2017V21-D – Artigo de opinião (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Redija um artigo de opinião sobre o perfil das pessoas que são mais suscetíveis a serem vítimas do tráfico humano.

Situação 2017V21-E – Carta argumentativa (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma carta argumentativa a um escritório de advocacia que defende uma rede social de sua escolha com o intuito de questioná-los sobre a necessidade de tornar mais clara a relação custo-benefício entre perda de privacidade e ter acesso a serviços oferecidos por aplicativos ou redes sociais nos termos de serviço dessas empresas.

Instruções UFU:
1. Após a escolha de uma das situações, assinale sua opção no alto da folha de resposta e, ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero selecionado.
2. Se for o caso, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: JOSÉ OU JOSEFA. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Utilize trechos dos textos motivadores (da situação que você selecionou) e parafraseie-os.
5. Não copie trechos dos textos motivadores, ao fazer sua redação.
6. Mínimo de 25 e máximo de 30 linhas.
7. ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.

Situação 2017V21-F - Dissertação (Enem)
A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “o direito à privacidade no século XXI”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Redação - Proposta 2017V22 - tráfico humano (UFU, Enem e demais vestibulares.)

Leia os textos a seguir.

Texto 01.
O que é tráfico de pessoas?
A Organização das Nações Unidas (ONU), no Protocolo de Palermo (2003), define tráfico de pessoas como “o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo-se à ameaça ou ao uso da força ou a outras formas de coação, ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou à situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins de exploração”.
Segundo a ONU, o tráfico de pessoas movimenta anualmente 32 bilhões de dólares em todo o mundo. Desse valor, 85% provêm da exploração sexual.

Quem são as pessoas em situação de tráfico humano?
Há tráfico de pessoas quando a vítima é retirada de seu ambiente, de sua cidade e até de seu país e fica com a mobilidade reduzida, sem liberdade de sair da situação de exploração sexual ou laboral ou do confinamento para remoção de órgãos ou tecidos.
A mobilidade reduzida caracteriza-se por ameaças à pessoa ou aos familiares ou pela retenção de seus documentos, entre outras formas de violência que mantenham a vítima junto ao traficante ou à rede criminosa.

Quem são os aliciadores? Quem faz a captação das pessoas em situação de tráfico humano?
Os aliciadores, homens e mulheres, são, na maioria das vezes, pessoas que fazem parte do círculo de amizades da vítima ou de membros da família. São pessoas com que as vítimas têm laços afetivos. Normalmente apresentam bom nível de escolaridade, são sedutores e têm alto poder de convencimento. Alguns são empresários que trabalham ou se dizem proprietários de casas de show, bares, falsas agências de encontros, matrimônios e modelos. As propostas de emprego que fazem geram na vítima perspectivas de futuro, de melhoria da qualidade de vida.
No tráfico para trabalho escravo, os aliciadores, denominados de “gatos”, geralmente fazem propostas de trabalho para pessoas desenvolverem atividades laborais na agricultura ou pecuária, na construção civil ou em oficinas de costura. Há casos notórios de imigrantes peruanos, bolivianos e paraguaios aliciados para trabalho análogo ao de escravo em confecções de São Paulo.


Texto 02.

Texto 03.


Situação 2017V22-A - Dissertação (USP, UFU, Unesp, Uniube, etc.)
Faça uma dissertação argumentativa sobre as principais causas do tráfico de brasileiros (as) para diversos locais do mundo.

Instruções:
1. Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. A redação deverá ter entre 25 e 30 linhas.
3. Dê um título a sua redação.

Situação 2017V22-B – Outros gêneros textuais – notícia (Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma notícia a partir de parte ou da totalidade dos dados dos infográficos da coletânea.

Instruções gerais:
1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: José ou Josefa. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Utilize trechos dos textos motivadores (da situação que você selecionou) e parafraseie-os.
5. Não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação.
6. Quanto ao número mínimo e máximo de linhas e de acordo com o vestibular pretendido, informe qual o vestibular que você irá prestar para que possamos adequar a correção às exigências do concurso escolhido.

Situação 2017V22-C - Carta argumentativa (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma carta argumentativa para uma autoridade que for coerente ter como destinatário da missiva a respeito da política de combate ao tráfico humano no Brasil acerca dos dados apresentados nos infográficos.

Situação 2017V22-D – Artigo de opinião (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Redija um artigo de opinião sobre o perfil das pessoas que são mais suscetíveis a serem vítimas do tráfico humano.

Situação 2017V22-E – Relato (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva um relato a partir do ponto de vista de um parente de uma pessoa traficada sobre como ela foi aliciada.

Instruções UFU:
1. Após a escolha de uma das situações, assinale sua opção no alto da folha de resposta e, ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero selecionado.
2. Se for o caso, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: JOSÉ OU JOSEFA. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Utilize trechos dos textos motivadores (da situação que você selecionou) e parafraseie-os.
5. Não copie trechos dos textos motivadores, ao fazer sua redação.
6. Mínimo de 25 e máximo de 30 linhas.
7. ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.

Situação 2017V22-F - Dissertação (Enem)
A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “tráfico humano no Brasil hoje”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Redação - simulado - Proposta UFU2017S3

ORIENTAÇÃO GERAL

Leia com atenção todas as instruções.

A) Você encontrará duas situações para fazer sua redação. Leia as situações propostas até o fim e escolha a proposta com a qual que você tenha maior afinidade.
B) Após a escolha de um dos gêneros, assinale sua opção no alto da Folha de Resposta e, ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero.
C) Se for o caso, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar. Escreva o título no lugar apropriado na folha de prova.
D) Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: JOSÉ ou JOSEFA.
E) Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
F) Não copie trechos dos textos motivadores, ao fazer sua redação.

ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.

Situação A

Texto 01.

Texto 02.

Texto 03.
Resultado de imagem para charge sertanejo universitário

Proposta UFU2017S3-A
Com base na charge, nas tiras e em suas vivências, escreva um artigo de opinião sobre a seguinte pergunta:

Afinal, existe bom gosto musical?

Situação B

Vincent Humbert, um jovem bombeiro voluntário de 20 anos teve um grave acidente automobilístico em uma estrada francesa no dia 24 de setembro de 2000. Ele ficou em coma por nove meses. Posteriormente, foi constatado que ele havia ficado tetraplégico, cego e surdo. O único movimento que ainda mantinha era uma leve pressão com o polegar direito. Através destes movimentos conseguia se comunicar com a sua mãe. A comunicação, ensinada pelos profissionais de saúde do hospital, era feita com uma pessoa soletrando o alfabeto e ele pressionava com o polegar quando queria utilizar esta letra. Desta forma, conseguia soletrar as palavras. Desde que conseguiu se fazer entender, solicitava os médicos praticassem a eutanásia, como forma de terminar com o sofrimento que estava tendo, pois o mesmo, segundo seu depoimento, era insuportável. Os médicos recusaram-se a realizá-la, pois na França a eutanásia é ilegal.
Ele também solicitou a sua mãe que fizesse o procedimento. "Meu filho me diz todo dia: 'Mãe, não consigo mais suportar esse sofrimento. Eu imploro a você, ajude-me'. O que você faria? Se tiver de ir para a prisão, irei."
Ele fez inúmeras solicitações, inclusive ao próprio presidente francês, através de uma carta, no sentido de dar uma exceção legal para o seu caso. O argumento é de que o presidente francês tem a prerrogativa de indultar prisioneiros, simetricamente poderia isentar de culpa quem o matasse por compaixão.  A frase que encaminhou ao presidente Jacques Chirac, em dezembro de 2002, foi a seguinte: "A lei dá-lhe o direito de indultar, eu peço-lhe o direito de morrer". Ele terminou a sua carta com a frase: "O senhor é a minha última chance"..A resposta do presidente, após alguns contatos, inclusive com o próprio Vincent, por telefone, foi negativa e acompanhada de uma recomendação de que o jovem deveria "retomar o gosto pela vida".   Nesta época foi feita uma pesquisa de opinião na França sobre a questão do suicídio assistido que resultou em 88% de aprovação pela população, mas não da eutanásia. Vale destacar que esta solicitação não teria como ser enquadrada como suicídio assistido, mas sim como eutanásia ativa voluntária.

Vincent escreveu um livro, de 188 páginas, intitulado "Peço-vos o direito de morrer" (Je vous demande le droit de mourir) lançado pela editora Michel Lafon, em 25 de setembro de 2003. Neste livro argumenta o seu pedido e termina dizendo: "A minha mãe deu-me a vida, espero agora dela que me ofereça a morte. (...) Não a julguem. O que ela fez para mim é certamente a mais bela prova de amor do mundo",
Marie Humbert, mãe de Vincent, de 48 anos, foi considerada por todos como sendo uma mãe admirável, que se dedicou integralmente aos cuidados do filho, tendo inclusive se mudado de cidade. No final da tarde de quarta-feira, 24 de setembro de 2003, Marie estava sozinha com o seu filho no quarto do Centre Hélio-marin de Berck-sur-Mer, na costa norte da França. Nesta ocasião administrou uma alta dose de barbitúricos através da sonda gástrica. Este procedimento tinha sido combinado com seu filho, que não queria estar vivo quando o seu livro fosse lançado, o que ocorreria no dia seguinte. "Eu nunca verei este livro porque eu morri em 24 de setembro de 2000 [...]. Desde aquele dia, eu não vivo. Me fazem viver. Sou mantido vivo. Para quem, para que, eu não sei. Tudo o que eu sei é que sou um morto-vivo, que nunca desejei esta falsa morte",
A equipe médica detectou a deterioração do quadro de saúde do paciente e interveio, fazendo manobras de reanimação. O paciente ficou em coma profundo, vindo a falecer na manhã do dia 27 de setembro de 2003.  A equipe médica do hospital expediu um comunicado, após uma reunião clínica, que havia decidido suspender todas as medidas terapêuticas ativas. O comunicado era o seguinte; " A equipe médica que acompanhou o paciente por três anos tomou esta decisão coletiva e difícil, de forma totalmente independente". Posteriormente o médico chefe da equipe, Dr. Frederic Chaussoy, assumiu publicamente que foi ele quem desligou o respirador do paciente. O médico afirmou que este procedimento não é incomum, mas que habitualmente não é asumido pelas equipes.
A mãe foi presa por tentativa de assassinato e posteriormente libertada pelo Ministério Público, que se manifestou no sentido de que ela seria processada no momento oportuno. A mãe foi encaminhada para o Centre hospitalier de l'arrondissement de Montreuil (CHAM), onde ficou internada por 24 horas. O pai de Vincent, Francis Humbert, aprovou a atitude de sua ex-esposa.
O advogado da família, Hughes Vigier, disse, em uma entrevista a TV LCI, que "Ela fez a coisa mais terrível que uma mãe pode fazer e ainda assim considera isso uma coisa maravilhosa porque ele queria tanto fazer isso".
A maneira pela qual ocorreu a morte do paciente não foi como havia sido inicialmente divulgada. Em 14 de janeiro de 2004, a mãe de Vincent, Marie Humbert, foi acusada pela justiça francesa de "administração de substâncias tóxicas" e o médico Frédéric Chaussoy foi  acusado formalmente  por "envenenamento com premeditação", que pode resultar em uma pena de prisão perpétua.   Os advogados do médica declararam que esta acusação caracterizaria um "erro de direito", por basear-se no direito penal geral e não na questão médica em particular.

Proposta UFU2017S3-B
Escreva uma carta argumentativa endereçada a senhora Marie Humbert com suas opiniões acerca da eutanásia e do fato de ela ter sido presa por ter favorecido a abreviação da vida do filho.

domingo, 9 de abril de 2017

Atualidades - Leituras e indicações - Propostas 2017V19 (qualidade profissional) e 2017V20 ("bullying")


Caras e caros,

Boa noite. Eis os textos e as indicações da semana. Peço especial atenção ao disco do Vevlvet Underground produzido por Andy Warhol de 1967, é um clássico que antecipou o Punk e o Rock inglês oitentista. Merecem atenção especial também os textos sobre Trump e sobre o ataque norte-americano a posições sírias. 

Tx2017-103

Tx2017-104

Tx2017-105

"Bullying" - Proposta 2017V20
Tx2017-106
https://novaescola.org.br/conteudo/336/bullying-escola
Tx2017-107
https://educacao.uol.com.br/temas/bullying-na-escola/
Tx2017-108
http://www.bbc.com/portuguese/internacional-37517198
Proposta de redação

Qualidade profissional - Proposta 2017V19
Tx2017-109
http://g1.globo.com/economia/concursos-e-emprego/noticia/2016/07/brasil-e-o-3-pais-com-maior-carencia-de-trabalhadores-qualificados.html
Tx2017-110
http://exame.abril.com.br/carreira/5-tendencias-sem-volta-do-trabalho-no-futuro/
Tx2017-111
Proposta de redação 


Indicação In2017-21

Nota: série de vídeos muito didática a respeito da história da arte.

Indicação In2017-22
Resultado de imagem para the velvet underground and nico
Nota: um dos discos mais relevantes da história do rock faz 50 anos de 2017, icônico e clássico desde a década de seu lançamento "The Velvet Underground and Nico" do Velvet Underground antecipou muito do que se veria no rock até a atualidade.

Abraços,

Professor Estéfani Martins

Redação - Proposta 2017V20 - "bullying" (UFU, Enem e demais vestibulares.)

Leia atentamente os textos abaixo.

Texto 01.
“O que é bullying?

Bullying é uma situação que se caracteriza por agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de maneira repetitiva, por um ou mais alunos contra um ou mais colegas. O termo bullying tem origem na palavra inglesa bully, que significa valentão, brigão. Mesmo sem uma denominação em português, é entendido como ameaça, tirania, opressão, intimidação, humilhação e maltrato.
"É uma das formas de violência que mais cresce no mundo", afirma Cléo Fante, educadora e autora do livro Fenômeno Bullying: Como Prevenir a Violência nas Escolas e Educar para a Paz (224 págs., Ed. Verus, tel. (19) 4009-6868 ). Segundo a especialista, o bullying pode ocorrer em qualquer contexto social, como escolas, universidades, famílias, vizinhança e locais de trabalho. O que, à primeira vista, pode parecer um simples apelido inofensivo pode afetar emocional e fisicamente o alvo da ofensa.
Além de um possível isolamento ou queda do rendimento escolar, crianças e adolescentes que passam por humilhações racistas, difamatórias ou separatistas podem apresentar doenças psicossomáticas e sofrer de algum tipo de trauma que influencie traços da personalidade. Em alguns casos extremos, o bullying chega a afetar o estado emocional do jovem de tal maneira que ele opte por soluções trágicas, como o suicídio.”

Texto 02.
“É importante que você saiba que todos os adolescentes têm direito a se beneficiar da tecnologia em um ambiente virtual seguro, livre de assédio, zombarias, brigas e qualquer tipo de humilhação. Segundo a Convenção sobre os Direitos da Criança, os adolescentes têm direito, por exemplo, à liberdade de expressão e esse direito inclui a liberdade de procurar, receber e difundir informações e ideias de todo tipo, sem limitação, seja oralmente, por escrito ou impressas, de forma artística ou por qualquer outro meio (Artigo 13).

Texto 03.
“Miriam Marcia de Moraes
Minha filha tem 10 anos, cabelos enormes e encaracolados, com muito volume. Os cabelos dela são lindos, remetem a uma coisa meio afro e é considerado um trunfo nas passarelas, já que ela faz alguns desfiles de moda infantil. No entanto, na escola é chamada de pulguenta, bruxa e uma série de adjetivos que a magoam profundamente. Ela sempre me pede pra deixar que faça escova progressiva, chapinha, mas seria um erro permitir que a maldade daqueles pestinhas retirem o seu diferencial. Até porque muitas críticas acontecem quando ela usa algo bonito ou diferente. A mãe de uma aluna me ligou pra saber onde eu havia comprado uma boina que a filha dela queria desesperadamente, a mesma que a menina havia chamado de "brega" e "coisa de piranha", quando viu minha filha usando. Ser alta, magra e estilosa tem sido difícil para a minha filha. Imagine o quanto de maldade não acontece com as crianças gordinhas ou com outras diferenças. Os professores costumam se fazer de mortos. Acho que devia haver mais acompanhamento, especialmente durante o recreio.”

“José (nome fictício)
Estudava numa escola pequena de Copacabana. Eu nem me lembrava que perturbava um cara da minha turma, éramos alunos do primário. Um dia, já na faculdade fomos jogar uma pelada. E lá estava o cara que eu perturbava. Realmente não me lembrava. Do nada vem um cara e pula na primeira disputa de bola e quebra minha perna. E ainda me deu um chute na cabeça. Fui direto para o Miguel Couto e o jogo virou uma pancadaria que meu time acabou perdendo. A gente fazia engenharia, éramos jovens normais e o outro time era do que hoje se chama de pitboys. Eram lutadores de jiu jitsu, surfistas e encrenqueiros.
Só soube que era ele quando com a perna quebrada urrando de dor ele veio e "bateu o tiro de meta" no meu rosto. Perdi 5 dentes, arranhão de córnea, tive trauma craniano e uma fratura na perna. Só me lembrei do meu agressor ao ver umas fotos antigas do Colégio Mello e Souza, mas realmente não lembrava que implicava com ele. Não lembrava mesmo. E, se implicava, o que de tão grave pode fazer uma criança de 7 anos com outra que justificasse uma agressão assim? Eu não era uma criança má. Já o cara que hoje anda por aí com o rosto em outdoor é um psicopata.”

Texto 04.

Texto 05.
Resultado de imagem para bullying charge

Situação 2017V20-A - Dissertação (USP, UFU, Unesp, Uniube, etc.)
Faça uma dissertação sobre o(s) porquê(s) de escolas serem locais em que uma prática tão cruel e desonesta como o “bullying” tornou-se tão comum já faz tanto tempo.

Instruções:
1. Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. A redação deverá ter entre 25 e 30 linhas.
3. Dê um título a sua redação.

Situação 2017V20-B – Outros gêneros textuais – autobiografia (Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma breve autobiografia de alguém que tenha praticado “bullying” contra diversos colegas de escola.

Instruções gerais:
1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: José ou Josefa. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Utilize trechos dos textos motivadores (da situação que você selecionou) e parafraseie-os.
5. Não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação.
6. Quanto ao número mínimo e máximo de linhas e de acordo com o vestibular pretendido, informe qual o vestibular que você irá prestar para que possamos adequar a correção às exigências do concurso escolhido.

Situação 2017V20-C - Carta argumentativa (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma carta argumentativa para o diretor de uma escola em que você estudou a fim de defender a necessidade de ações contundentes e firmes contra o “bullying” nessa instituição.

Situação 2017V20-D – Artigo de opinião (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Redija um artigo de opinião sobre as conexões entre “bullying”, relações familiares e “status quo”.

Situação 2017V20-E – Relato (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva um relato a partir do ponto de vista de um professor que presenciou e atuou em um caso de “bullying” ocorrido durante a aula dele.

Instruções UFU:
1. Após a escolha de uma das situações, assinale sua opção no alto da folha de resposta e, ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero selecionado.
2. Se for o caso, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: JOSÉ OU JOSEFA. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Utilize trechos dos textos motivadores (da situação que você selecionou) e parafraseie-os.
5. Não copie trechos dos textos motivadores, ao fazer sua redação.
6. Mínimo de 25 e máximo de 30 linhas.
7. ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.

Situação 2017V20-F - Dissertação (Enem)
A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “como combater o ‘bullying’ nas escolas brasileiras”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.