domingo, 18 de setembro de 2016

Redação - Proposta 2016E-5 (16 de 20) - epidemias

Leia atentamente os textos abaixo.

Texto 01.
“No final do ano passado, foi confirmada pela Ministério da Saúde a relação entre o vírus zika e a microcefalia, uma má-formação do cérebro de bebês.
A doença, também transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, provoca sintomas parecidos, porém mais brandos do que os da dengue: febre, dor de cabeça e no corpo e manchas avermelhadas.
A região Nordeste é a mais afetada pelo surto de microcefalia – no Brasil ao todo estão sendo investigados 3.448 casos suspeitos da doença. Outros 270 casos de microcefalia foram confirmados pelo Ministério da Saúde nesta quarta-feira, e 462 foram descartados.
O avanço do zika e os casos de microcefalia pegaram o país de surpresa e suscitaram várias dúvidas.”

Texto 02.
“Antigamente, o homem desconhecia a causa das epidemias. Não se imaginava que, nas poças d’água ou em regiões alagadas, pudessem proliferar mosquitos transmissores da febre amarela ou moscas que transmitiam diarreia, nem que os ratos, entrando nas casas, pudessem espalhar pestes. A crença era que estavam no ar substâncias venenosas que infectavam as pessoas. Alguns médicos chegaram a dizer que as moscas, ziguezagueando durante o voo, ajudavam a ventilar o ambiente e a purificá-lo. Não se davam conta de que elas pousavam no material contaminado e depois nos alimentos que seriam consumidos.
No final do século XIX, descobriu-se que as bactérias eram as causadoras das epidemias e que era necessário clorar a água, tratar o esgoto, aterrar as regiões alagadas das cidades. Foi isso que Osvaldo Cruz fez no Rio de Janeiro para acabar com o mosquito que transmitia a febre amarela.
A impressão que se tem agora é que a era bacteriológica deu lugar à era virológica. É preciso pesquisar onde os vírus estão e quais interferências do homem no meio ambiente e com o resto da biosfera favorecem as infecções virais, sejam elas epidemias novas ou velhas epidemias que retornam.”

Texto 03.
“A dengue é, sem dúvidas, a doença mais grave quando comparada à chikungunya e à zika. Ela causa febre, dores no corpo, dores de cabeça e nos olhos, falta de ar, manchas na pele e indisposição. Em casos mais graves, a dengue pode provocar hemorragias, que, por sua vez, podem ocasionar óbito.
A chikungunya também causa febre e dores no corpo, mas as dores concentram-se principalmente nas articulações. Na dengue, as dores são predominantemente musculares. Alguns sintomas da chikungunya duram em torno de duas semanas; todavia, as dores articulares podem permanecer por vários meses. Casos de morte são muito raros, mas a doença, em virtude da persistência da dor, afeta bastante a qualidade de vida do paciente.
Por fim, temos a febre zika, que é a doença que causa os sintomas mais leves. Pacientes com essa enfermidade apresentam febre mais baixa que a da dengue e chikungunya, olhos avermelhados e coceira característica. Em virtude desses sintomas, muitas vezes a doença é confundida com alergia. Normalmente a zika não causa morte, e os sintomas não duram mais que sete dias. Vale frisar, no entanto, que a febre zika relaciona-se com uma síndrome neurológica que causa paralisia, a Síndrome de Guillain-Barré, e também com casos de microcefalia.
O tratamento da dengue, chikungunya e zika é praticamente o mesmo, uma vez que não existem medicamentos específicos para nenhuma dessas enfermidades. Recomenda-se que o paciente, nos três casos, permaneça em repouso e beba bastante líquido. Alguns medicamentos são indicados para dor, mas não se deve fazer uso de remédios que contenham ácido acetilsalicílico, pois eles podem desencadear hemorragias.
Não existem vacinas contra as doenças citadas no texto. Assim sendo, a melhor forma de prevenir-se é pela destruição dos locais propícios à multiplicação do mosquito Aedes, garantindo sempre que não haja acúmulo de água parada.”

Situação 2016E-5A - Dissertação (Enem)
A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “epidemias no Brasil contemporâneo”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Situação 2016E-5B - Dissertação (USP, Unesp, Uniube, etc.)
Faça uma dissertação sobre a seguinte consideração abaixo:

Em diversos momentos da História, surtos epidêmicos mataram milhões de pessoas em curtos períodos de tempo. A sociedade está preparada para reagir adequadamente a uma pandemia global de uma doença que se desenvolva e mate rapidamente os infectados?

Instruções:
1. Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. A redação deverá ter entre 25 e 30 linhas.
3. Dê um título a sua redação.

Situação 2016E-5C – Outros gêneros textuais – paráfrase (Unicamp, UEL, etc.)
Faça uma paráfrase do texto três da coletânea desta prova.

Instruções gerais:
1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura um nome fictício e comum. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação.
5. Quanto ao número mínimo e máximo de linhas, de acordo com o vestibular pretendido, informe qual o vestibular que você irá prestar para que possamos adequar a correção às exigências do concurso escolhido.