domingo, 7 de agosto de 2016

Redação - Proposta 2016E-18 (3 de 20) - direito à privacidade

Leia atentamente os textos abaixo.

Texto 01.
“A privacidade é um direito fundamental de qualquer cidadão, consagrado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1948. Não é difícil imaginar por quê. Só livre da constante fiscalização do Estado e dos poderosos o cidadão pode exercer a liberdade de expressão e de organização, enunciadas em um texto ainda mais antigo, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, documento culminante da Revolução Francesa (1789) e que serviu de inspiração para a publicação da ONU.
Antes mesmo da declaração francesa, leis de direitos civis na Inglaterra do século 17 já proibiam a Coroa de interceptar cartas ou invadir domicílios sem autorização judicial. Na época, o que se queria proibir era a violação das casas por coletores de impostos. Garantir esse direito, em última instância, é zelar pela democracia, à qual a privacidade está intimamente ligada.
Nos últimos anos, o advento da internet ampliou a liberdade de expressão e o acesso de direitos civis, como a cultura e a educação, a tal ponto que a ONU declarou, em 2011, o acesso à rede como direito fundamental do ser humano. Paralelamente, porém, a preocupação da comunidade internacional com a garantia à privacidade na internet é crescente.”

Texto 02.

Texto 03.

Situação 2016E-18A – dissertação (Enem)
A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “direito à privacidade e segurança pública”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Situação 2016E-18B – dissertação (Fuvest, Vunesp, Uniube, etc.)
Redija uma dissertação argumentativa sobre a pergunta abaixo:

É possível conciliar o direito à privacidade com o combate ao terrorismo?

Instruções:
1. Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. A redação deverá ter entre 25 e 30 linhas.
3. Dê um título a sua redação.

Situação 2016E-18C – Outros gêneros textuais – crônica (Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma crônica sobre as consequências da despreocupação com a perda da privacidade, especialmente pelas gerações mais jovens.

Instruções gerais:
1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura um nome fictício e comum. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação.

5. Quanto ao número mínimo e máximo de linhas, de acordo com o vestibular pretendido, informe qual o vestibular que você irá prestar para que possamos adequar a correção às exigências do concurso escolhido.