domingo, 27 de março de 2016

Redação - Proposta 2016-17 - terrorismo

Leia com atenção os textos abaixo.

Texto 01.
“Atos criminosos pretendidos ou calculados para provocar um estado de terror no público em geral, num grupo de pessoas ou em indivíduos para fins políticos são injustificáveis em qualquer circunstância, independentemente das considerações de ordem política, filosófica, ideológica, racial, étnica, religiosa ou de qualquer outra natureza que possam ser invocadas para justificá-los.”
(Declaração sobre Medidas para Eliminar o Terrorismo Internacional - Resolução 49/60 da Assembleia Geral, para. 3)

Texto 02.
“Formalmente, terrorismo é o uso da violência sistemática, com objetivos políticos, contra civis ou militares que não estão em operação de guerra. Existem muitas formas de terrorismo. Os terroristas religiosos praticam atentados em nome de Deus; já os mercenários recebem dinheiro por suas ações; os nacionalistas agem movidos por um ideal patriótico. Há ainda os ideólogos, que armam bombas motivados por uma determinada visão de mundo. E, muitas vezes, o que se vê é uma mistura de tudo isso com desespero e ódio.
Por outro lado, houve no século XX o crescimento do terrorismo de Estado, em que é adotada a política de eliminação física de minorias étnicas ou de adversários de um regime. Um exemplo é o regime racista da África do Sul, responsável por ações terroristas contra a maioria negra do país até o fim do apartheid, no início dos anos 90. Na América Latina, as ditaduras militares dos anos 60 e 70 promoveram o terrorismo de Estado contra seus opositores, torturando e matando milhares de pessoas. No Oriente Médio, os palestinos de cidadania israelense e os habitantes dos territórios de Gaza e Cisjordânia foram segregados e sofreram ataques das forças armadas de Israel, entre 1967 e 1993. O terrorismo de extremistas muçulmanos contra judeus de Israel, por sua vez, também aterrorizou e matou pessoas inocentes, principalmente a partir da década de 80.
Muitos historiadores e intelectuais avaliam que as bombas atômicas jogadas pelos Estados Unidos sobre o Japão, em agosto de 45, foram o maior atentado terrorista já praticado até hoje. Mais de 170 mil civis perderam a vida num ataque que não tinha como objetivo vencer a guerra, mas fazer uma demonstração de força para a União Soviética.”

Texto 03.
“Em suas muitas manifestações, o terrorismo é um dos pesadelos da civilização moderna, por seu componente de irracionalidade, amplitude de suas conseqüências e impossibilidade de prevenção. Sua motivação varia da genuína convicção política à ânsia pessoal de afirmação, mas o resultado é sempre a morte, a mutilação e a destruição. Em definição, o terrorismo é o uso sistemático do terror ou da violência imprevisível contra regimes políticos, povos ou pessoas para alcançar um fim político, ideológico ou religioso. Segundo Laqueur, ‘nenhuma definição pode abarcar todas as variedades de terrorismo que existiram ao longo da história (pois é um termo moderno e sutil)’.”

Texto 04.

Texto 05.
“1.Terrorismo e terror - Apesar de correntemente terrorismo ser entendido como a prática política de quem recorre sistematicamente à violência contra as pessoas ou as coisas provocando o terror, a distinção entre esta última e o terrorismo  representa o ponto da partida para a análise de um fenômeno que, ao longo dos séculos, viu constantemente aumentar seu peso político. Como terror entende-se, de fato, um tipo de regime particular, ou melhor, o instrumento de emergência a que um Governo recorre para manter-se no poder: o exemplo mais conhecido deste uso do terror é, naturalmente, o do período da ditadura do Comitê de Saúde Pública, liderado por Robespierre e Saint-Just durante a Revolução Francesa (1793-1794). Mas já quase três séculos antes Maquiavel lembrava que ‘para retomar o Estado (ou seja, para conservar o poder) era necessário periodicamente espalhar aquele terror e aquele medo nos homens que o tinham utilizado ao tomar o poder’ (Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio ,III,I).

Analogamente , diante da crítica de Kautsky, segundo o qual o exercício do poder da parte dos bolcheviques na Rússia revolucionária outra coisa não é senão uma forma (deteriorada)de terrorismo ,Trotski replica que, se por terrorismo se entendem as medidas de luta em relação ás tentativas contra-revolucionárias ,não estaremos senão diante de uma forma de ditadura revolucionária e ,enquanto tal, necessária porque,  ‘quem renuncia à ditadura do proletariado, renuncia à revolução social e leva o socialismo à sua morte política’(Terrorismo e comunismo antiKautsky, cap.II).” (“Dicionário de Política”, Norberto Bobbio e outros)

Situação 2016-17A - Dissertação (USP, Unesp, Uniube, etc.)
O terrorismo é considerado pela maioria das pessoas uma ação atroz, covarde e injustificavelmente violenta. Nos últimos 10 anos, parte dos ataques terroristas tem se modificado quanto aos métodos, às filiações ou a falta delas, etc. Faça uma dissertação em que você discuta as consequências da chamada “desinstitucionalização” do terrorismo.

Instruções:
1. Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. A redação deverá ter entre 25 e 30 linhas.
3. Dê um título a sua redação.

Situação 2016-17B – Outros gêneros textuais – carta pessoal (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma carta para um amigo que pretende se envolver ou entrar em um grupo terrorista a fim de demovê-lo de tomar essa atitude.

Instruções gerais:
1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: José ou Josefa. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Utilize trechos dos textos motivadores (da situação que você selecionou) e parafraseie-os.
5. Não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação.
6. Quanto ao número mínimo e máximo de linhas e de acordo com o vestibular pretendido, informe qual o vestibular que você irá prestar para que possamos adequar a correção às exigências do concurso escolhido.

Situação 2016-17C - Carta argumentativa (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma carta argumentativa ao Secretário Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) a fim de solicitar ações mais contundentes dessa instituição na desarticulação e no enfrentamento do terrorismo no mundo.

Situação 2016-17D – Artigo de opinião (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Faça um artigo de opinião sobre as causas da intensificação do terrorismo no mundo contemporâneo.

Situação 2016-17E – Editorial (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Faça um editorial sobre a grande variedade de vítimas que o terrorismo provoca, para muito além das pessoas afetadas diretamente pelos atentados.

Instruções UFU:
1. Após a escolha de uma das situações, assinale sua opção no alto da folha de resposta e, ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero selecionado.
2. Se for o caso, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: JOSÉ OU JOSEFA. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Utilize trechos dos textos motivadores (da situação que você selecionou) e parafraseie-os.
5. Não copie trechos dos textos motivadores, ao fazer sua redação.
6. Mínimo de 25 e máximo de 30 linhas.
7. ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.

Situação 2016-17F - Dissertação (Enem)
A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “o terrorismo no Brasil em tempo de Olímpiadas”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Situação 2016-17G – Relato (1º ano)
Escreva um relato sob a perspectiva de um terrorista em que ele relate em primeira pessoa como ele tomou a decisão de fazer um determinado ataque contra civis.

Instruções para alunos de 1º ano:
1. Ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero selecionado.
2. Dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: João ou Maria.
4. Não copie ou parafraseie trechos dos textos motivadores.
5. Escreva com letra legível, à caneta; respeite as margens; rasure, se você precisar, de forma adequada; destaque as maiúsculas em relação às minúsculas por tamanho; etc.; 
6. Escreva no mínimo 25 e no máximo 30 linhas.
7. ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.
8. Preencha integralmente o cabeçalho da folha de redação. Dê especial atenção para a colocação do código que informa a situação escolhida por você. Exemplo: 2016-7G.

Situação 2016-17H – Artigo de opinião (2º ano)
Faça um artigo de opinião a respeito das causas e consequências do terrorismo contemporâneo.

Instruções para alunos de 2º ano:
1. Ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero selecionado.
2. Dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: João ou Maria.
4. Não copie ou parafraseie trechos dos textos motivadores.
5. Escreva com letra legível, à caneta; respeite as margens; rasure, se você precisar, de forma adequada; destaque as maiúsculas em relação às minúsculas por tamanho; etc.; 
6. Escreva no mínimo 25 e no máximo 30 linhas.
7. ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.
8. Preencha integralmente o cabeçalho da folha de redação. Dê especial atenção para a colocação do código que informa a situação escolhida por você. Exemplo: 2016-7G.