domingo, 24 de maio de 2015

Redação - Proposta 2015-28 - privacidade em tempos de internet

Leia atentamente os textos abaixo.

Texto 01.
“Em tempos pós-Snowden, a privacidade se tornou um assunto caro a usuários da internet. Além da preocupação com o monitoramento de agências de inteligência, estão as empresas de internet, tão conhecidas de todos nós, como Google e Facebook. Mas afinal, quais dados são de fato armazenados por essas empresas além daqueles que já entregamos de bandeja na hora de preencher um cadastro?
Atualmente, Google e Facebook podem entrar em contato com, praticamente, qualquer informação pessoal do usuário: conversas, imagens postadas, vídeos assistidos, locais visitados, melhores amigos e até futuros relacionamentos.
É possível impedir que ao menos parte desses dados sejam coletados ou compartilhados com empresas terceiras que nem sabemos quais são?”

Texto 02.
“Mas quais são os reais riscos de privacidade com o Big Data?
As fotos que você compartilha em uma rede social, os e-mails que você troca, as pesquisas feitas em buscadores por exemplo, geram dados sobre o seu perfil de usuário na Internet. Essas informações são captadas por diversas empresas, muitas vezes sem o real consentimento dos usuários. A área da saúde (testes clínicos, exames médicos, entre outros), Smart Grid e até mesmo a Cloud Computing se beneficiam desses dados, por exemplo. Porém, eles oferecem riscos de privacidade por trabalharem com informações que, na maioria dos casos, não são anônimas.
Por exemplo, dados de relatórios médicos são vendidos para empresas de análise criando o risco de serem usadas para rastrear a identidade dos pacientes. Há um burburinho enorme com relação à medicina personalizada, que promete drogas e terapias mais específicas para o problema de cada indivíduo. A promessa é interessante para trazer melhorias à medicina, mas a análise de dados se baseia na identificação pessoal em níveis celulares e genéticos, o que pode trazer grandes riscos se usada inapropriadamente.
Outro exemplo interessante que pode trazer riscos para a privacidade são as iniciativas de Smart Grid, projeto de Big Data que pretende melhorar a eficiência da distribuição de energia para as casas e empresas através da análise dos dados de consumo de energia. Com isso, é possível que o Smart Grid preveja não só quanto e como usamos nossa energia, mas também informações mais específicas como a hora em que tomamos banho, a hora em que jantamos, quanto tempo gastamos em cada cômodo da casa, o que estamos fazendo e até a hora em que vamos dormir, visto que a maioria das atividades feitas dentro de casa são feitas com equipamentos eletrônicos.”

Texto 03.
“A privacidade é um direito fundamental de qualquer cidadão, consagrado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1948. Não é difícil imaginar por quê. Só livre da constante fiscalização do Estado e dos poderosos o cidadão pode exercer a liberdade de expressão e de organização, enunciadas em um texto ainda mais antigo, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, documento culminante da Revolução Francesa (1789) e que serviu de inspiração para a publicação da ONU.
Antes mesmo da declaração francesa, leis de direitos civis na Inglaterra do século 17 já proibiam a Coroa de interceptar cartas ou invadir domicílios sem autorização judicial. Na época, o que se queria proibir era a violação das casas por coletores de impostos. Garantir esse direito, em última instância, é zelar pela democracia, à qual a privacidade está intimamente ligada.
Nos últimos anos, o advento da internet ampliou a liberdade de expressão e o acesso de direitos civis, como a cultura e a educação, a tal ponto que a ONU declarou, em 2011, o acesso à rede como direito fundamental do ser humano. Paralelamente, porém, a preocupação da comunidade internacional com a garantia à privacidade na internet é crescente.”

Texto 04.

Texto 04.

Situação 2015-28A - Dissertação (Enem)
A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “privacidade e internet no século XXI”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Situação 2015-28B - Dissertação (USP, Unesp, etc.)
Faça uma dissertação acerca da necessidade ou não de limites na gestão dos dados por parte de empresas e do Estado que os internautas geram com sua atividade na internet.

Situação 2015-28C – Outros gêneros textuais - manifesto (Outros vestibulares)
Faça um manifesto sobre a importância da leitura para o desenvolvimento do Brasil.

Instruções:
1. Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. A redação deverá ter entre 25 e 30 linhas.
3. Dê um título a sua redação.