segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Redação - Proposta 2015-5 - sustentabilidade

Leia atentamente os textos abaixo.

Texto 01.

Texto 02.

Texto 03.

Texto 04.

Texto 05.
Sustentabilidade

                 Finalmente o homem se dá conta de sua responsabilidade sobre o planeta. Infelizmente, isto ocorre somente após um contexto de gravíssimos danos causados ao meio ambiente.
                 O momento histórico que marca a intensificação deste processo de degradação é a Revolução Industrial, no séc. XVIII, todavia, este é apenas o evento externo, a cisão entre o homem e a natureza já havia ocorrido muito antes.
                 Se para as culturas antigas, tanto no ocidente quanto no oriente, a interação com a natureza era algo, por assim dizer ‘natural’, que inclusive fazia parte das mitologias dos povos, pode-se considerar o período da Idade Média ocidental como o momento em que há esta ruptura no plano psicológico.
                 Para o homem medieval a única coisa que importava no mundo era a sua visão de Deus e a expectativa pela vida no paraíso. Portanto, o cuidado com a vida terrena não era a coisa mais importante e nem chegava a ser considerado como uma prioridade, pois esta era apenas uma realidade passageira.
                 Com o passar do tempo, na entrada da Idade Moderna, as grandes navegações são o sinal de um novo sistema de organização econômica da sociedade em nascimento, o mercantilismo. Neste sistema, a expansão territorial e o lucro por meio da exploração das colônias era a norma corrente, não havendo preocupação com os danos causados neste caminho.
                 Somente após este percurso, considerada ainda a influência dos pensadores do liberalismo econômico, como os escoceses Adam Smith e David Ricardo é que se chega à Revolução Industrial, marcada em suas diversas fases pela alternância entre as fontes energéticas de origem mineral (carvão, petróleo, etc.).
                 Por outro lado, somente nos anos 70 é que se tem as primeiras manifestações da preocupação com os danos causados ao meio ambiente, década que inclusive em que este tema tornou-se pauta de discussão internacional no seio da ONU.
                 Apesar de ser um consenso na atualidade a necessidade de se discutir a questão ambiental, tem sido cada vez mais difícil se chegar a um consenso de como se manter os rumos do crescimento econômico e do desenvolvimento humano, sem prejudicar ao ecossistema e à própria vida humana.
                 Este é o desafio da sustentabilidade, manter em equilíbrio a relação entre o desenvolvimento humano (individual e social), o crescimento econômico e a preservação do meio ambiente.
                 Os resultados obtidos pelos encontros realizados no Rio de Janeiro (ECO 92) e em Johannesburgo (Rio + 10), bem como o fracasso das negociações em Kyoto, em 1999, e em Kopenhagen, em 2009, são provas da dificuldade de se efetivar esta proposta de desenvolvimento sustentável.
                 No nosso entendimento, isto ocorre, pois a humanidade não está preparada para o desenvolvimento sustentável. Por que entendemos assim? Pois a sustentabilidade somente será possível quando o homem (enquanto pessoa, indivíduo), primeiramente, aprender a viver de maneira sustentável.
                 Hoje não se cuida do próprio corpo, da própria casa, da carreira profissional, dos pensamentos que alimentamos em nossa cabeça, etc. É da falta de uma organização própria de cada um de nós que se dá origem aos problemas ambientais que se encontram amplificados no contexto das organizações humanas.
                 Portanto, antes de ser uma política internacional, governamental ou empresarial, a sustentabilidade deve ser um modelo de condução da própria vida para que possamos impedir a degradação do meio ambiente.
                 Deste modo, para que possamos viver em uma sociedade sustentável é necessária a formação do homem para a sustentabilidade. Isto significa fazer a Paidéia na contemporaneidade.
                 Não há momento melhor que o atual para este novo renascimento da humanidade. Devemos saber aproveitá-lo para, a partir da refundação de nós mesmos, construirmos esta nova realidade.

Situação 2015-5A - Dissertação (Enem)
A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “sustentabilidade no Brasil da atualidade”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Situação 2015-5B - Dissertação (USP, Unesp, etc.)
Faça uma dissertação sobre as chances de o homem sobreviver ao descaso dele próprio com a natureza.

Instruções:
1. Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. A redação deverá ter entre 25 e 30 linhas.
3. Dê um título a sua redação.

Situação 2015-5C – Outros gêneros textuais – Carta argumentativa (UFU, Unicamp, UEL, etc.)
Escreva uma carta em que você defenda a necessidade de políticas drásticas e imediatas para promover a sustentabilidade na sociedade brasileira. A correspondência deve ser interessada ao órgão ou pessoa que você considerar mais capaz de levar suas ideias adiante.

Instruções UFU:
1. Após a escolha de uma das situações, assinale sua opção no alto da folha de resposta e, ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero selecionado.
2. Se for o caso, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
3. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: JOSÉ OU JOSEFA. Em hipótese alguma escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
4. Utilize trechos dos textos motivadores (da situação que você selecionou) e parafraseie-os.
5. Não copie trechos dos textos motivadores, ao fazer sua redação.
6. ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.
7. Mínimo de 25 e máximo de 30 linhas.

Instruções Uniube:
1. No lugar da assinatura, coloque um traço.