segunda-feira, 22 de abril de 2013

Atualidades - 2013 - EM e PV - Lista 11

Queridas alunas e queridos alunos,

Espero que todos tenham feito um excelente simulado COC. Mais um importante treino para aqueles que querem um bom resultado nos concursos que estão por vir.
A semana passada começou com o triste atentado ocorrido durante a maratona de Boston. Muito se especulou sobre quem estava por trás dos ataques e qual seria a motivação. Creio que muitos se surpreenderam quando foi anunciado que os dois suspeitos são de origem Chechena, uma região que tem um histórico de atentados à Moscou e outras cidades da Rússia, devido à questão separatista que envolve a região. Aguardamos mais notícias a respeito dos reais motivos que levaram à esse fatídico evento.
Sobre uma outra tragédia, desta vez, ocorrida em território brasileiro, lembro de quando consegui comprar o disco "Chaos AD" do Sepultura, em 1994. O disco havia sido lançado em 93 e trazia uma faixa que falava sobre o massacre do Carandiru. O álbum tem 20 anos, eu tinha 10 anos e Max ainda era voz do grupo musical brasileiro mais bem sucedido no exterior. Exposições de um sistema judicial e carcerário falido à parte, apenas espero que o tempo não se faça amigo de criminosos e banalize a tristeza de um dia que não deve ser esquecido.
Desejo uma produtiva semana a todos.

Cheers,

Humberto Costa

Caras e caros,

Além das questões muito bem colocadas pelo Humberto. Gostaria de destacar o reavivamento do debate sobre sotas raciais ou sociais nas universidades brasileiras, a questão da redução da maioridade penal e os resultados das eleições na Venezuela e no Paraguai.
Como complemtento para nossa lista, toda semana são publicados textos novos e didáticos sobre assunto de interesse geral.


Além desse, sugiro também o maior portal de arte e cultura que conheço no Brasil, com enciclopédias, dicionários e informação de altíssima qualidade.


Ótima semana a todos.

Saudações,


Professor Estéfani Martins 
2º anos, 3º anos e PV - COC Uberlândia
3º anos, Semi e extensivo - COC Uberaba


1.
Um ato de covardia.

2. 
Pavilhão 9.

3.
Mais que um debate.

4.
Mais que um debate 2.

5.
Eleições à moda paraguaia.

6.
Escola de princesas?

7.
Eleições à moda venezuelana.



18 comentários:

  1. Caros Humberto e Estéfani ,
    Em relação ao tema 4,me ponho a favor da redução da maioridade penal, que já se mostra uma necessidade, pois ,a impunidade de menores infratores mostra brechas para burlar o sistema penal brasileiro. Em casos que essas brechas podem ser aproveitada por oportunistas para usa-los(menores), no trafico de drogas, roubos e outros crimes. A impunidade de menores ,como no caso do menor que matou o estudando da USP de 19 anos a apenas 2 dias de completar 18 anos, pode levar a outros crimes, visto que, servira de exemplo que por ser menor não será punido.

    Lucas guerra borges 3º E

    ResponderExcluir
  2. Caros professores,
    Gostaria de fazer referência ao tema 4, no que diz respeito a adoção da postura interessante, e que julgo não ser correta, da possível redução da maioridade penal. A meu ver, esta proposta representa uma tentativa de redução da violência no país, no entanto, equivale ao caminho mais fácil e menos correto de fazê-lo. Ressalto ainda, o impacto que o aumento do número de prisões poderia causar no sistema carcerário do Brasil, que já se encontra em crise, e entendo que a melhor proposta para a resolução desse problema seria a eficaz implantação de políticas públicas e medidas socioeducativas nas áreas mais violentas, além de investimentos no precário setor educacional com o intuito de promover o aprimoramento do caráter individual.

    Maria Adelia Faleiro Santana Silva 3ºA

    ResponderExcluir
  3. Caros professores Humberto e Estéfani,
    Primeiramente gostaria de agradecer pela consideração ao meu pedido. E em relação a esse tema (6), entendo que os personagens aperfeiçoados pela Disney não são meras imagens. Eles estão cobertos de significados e exercem uma influência inacreditável na vida de toda uma geração de crianças. Em consequência desses estereótipos criados, pude perceber que algumas crianças e adolescentes começam se fechar, pois não são iguais aos padrões de beleza impostos pela mídia e isso é maléfico para a saúde física e psicológica deles. Além do conceito criado a favor dos finais felizes obrigatórios, que na verdade decepcionam a muitos, já que não é sempre que os acontecimentos dão certo na realidade. Não quero passar a ideia de que os contos de fadas são ruins, apenas acredito que a forma com que eles têm sido idealizados ou relacionados ao consumismo, características fenotípicas ou mesmo o casamento, não tem trazido resultados benéficos. Portanto é necessário que exista uma orientação por parte dos pais e de profissionais capacitados para dar suporte na formação do caráter dessas crianças e adolescentes, logo evitar frustrações na vida adulta deles.
    Jéssica de Lima Ribeiro 3ºB

    ResponderExcluir
  4. Resposta sobre a questão das cotas nas universidades.

    http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2013/04/1270000-rendimento-de-cotistas-em-universidades-caiu-com-o-passar-do-tempo.shtml

    ResponderExcluir
  5. Estimados professores Humberto e Estéfani,

    Escolhi me pronunciar a respeito de uma das maiores polêmicas dos dias de hoje, o tema abordado no item 3. Minha opinião é negativa em relações às três modalidades de cotas, referentes à renda, à cor e ao estudo em escola pública. A meu ver, aquelas que procuram "recompensar" pessoas economicamente desfavorecidas são soluções encontradas pelo Governo para não melhorar os salários e a qualidade dos colégios não pagos. Já as cotas que atingem negros, pardos e índios, que são consideradas formas de promover a igualdade entre todas as etnias, também me parecem maneiras de evitar investir nas bases educacionais, nas quais o número de pessoas dessas "cores" já é inferior. Se o Governo quer mesmo garantir educação a essas classes menos favorecidas, ele que invista no aumento da renda familiar dos brasileiros e na melhoria das escolas de Ensino Fundamental e Médio.

    Eliandra Costa Chagas – 3ºB

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Relacionado ao tema do texto 6, eu gostaria de me posicionar em relação a forte estereotipagem produzida pelos contos, principalmente,de princesas da Disney e as consequências causadas por tal fato. Pode-se perceber que nessas histórias as personagens são representadas, na maioria das vezes, com extrema magreza, o que pode desenvolver ou aumentar os casos de distúrbios alimentares em adolescentes e crianças. Além disso, há a valorização do status social, da riqueza e do poder mostrado na imagem dos príncipes, a maioria, ricos, bonitos e poderosos. Logo, essa situação causa problemas psicológicos de longo prazo, mas também complicações no físico das crianças, pois essas, quando não se adequam ao padrão de beleza e social imposto desde a infância, por meio dessas histórias ,podem adquirir depressões, anorexia, distúrbios em geral, consequentemente, dificuldades na escola, de socialização e de auto-estima, por exemplo. Dessa maneira, deve ser feito pelos pais, escola e psicólogos um trabalho que combata a estereotipagem, mostrando outros tipos de beleza.

    Giovanna Cavalcanti Brandão Lima 3ºA

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. - Natália Ramos Pena
    - 3º E, Uberlândia
    - Tema 6

    Acredito que os filmes criados pela Walt Disney Company, exercem grande influência na sociedade principalmente em crianças. Afinal, filmes infantis são raros no cenário cinematográfico, e ainda mais quando se trata de animações. Eles estabelecem um padrão de beleza e de como atingir a felicidade por meios supérfluo que podem gerar problemas psicológicos àquelas crianças que não tem capacidade de discernir. Por isso, essas crianças precisam de orientação para que não sejam prejudicadas na formação de sua personalidade.

    ResponderExcluir
  11. Arthur Rodrigues Cruz
    3° A Uberlândia
    Tema 3

    Caros Humberto e Estéfani,
    Acredito que a questão de cotas raciais, de baixa renda e de origem escolar, estão equivocadas pelos seguintes motivos. Nosso sistema de cotas fora espelhado no sistema dos EUA, onde existe um grande problema de racismo que não se enquadra no Brasil uma vez que somos uma população bem miscigenada. Outro problema é garantir vagas por causa que o aluno estudou em escola pública, para mim isso é uma tentativa de mascarar o problema do ensino público falho brasileiro. O correto seria melhorar o ensino público para que não houvesse necessidade de cotas para que estudantes de escolas públicas possam adentrar nas faculdades.

    ResponderExcluir
  12. Caros professores,
    Gostaria de comentar a respeito do Tema 1, que foi bastante explorado pelas mídias nas últimas semanas. Ao meu ver, toda a história dos atentados está mal explicada, o que pode ser consequência da hegemonia e do poder estadounidense sobre as mídias. Ao pesquisar mais sobre o assunto, é possível questionar se toda a situação não foi uma estratégia política, visto que a Chechênia é um país rico em recursos minerais que luta por sua independência e é habitado em grande parte por islâmicos. Estes foram esteriotipados como terroristas desde os ataques do 11 de setembro, e sua imagem foi usada para explicar a guerra ao terror, Guerra no Iraque e no Afeganistão, além de estimular o patriotismo americano. Assim, penso que todo o drama que os irmãos chechenos estão vivendo pode ser um ato político e econômico por parte dos Estados Unidos.

    Carolina Rezende Lima
    3º A Uberlândia

    ResponderExcluir
  13. Gostaria de me posicionar sobre o tema 6, acho que a muito tempo as crianças vem sofrendo "lavagem cerebral" pois os filmes esteriotipam a mulher perfeita, as caracterizam sempre da mesma maneira fazendo com que essas crianças crescam visanso ter um cabelo liso e loiro, roupas sempre elegantes, jóias, sonham com um príncipe, idealizando os homens e o amor também. Esse tipo de geração tende a criar muitos problemas futuramente, porque desta maneira pode surgir o bullying, menosprezar outra pessoa por não seguir os aspectos impostos pela sociedade (ou mídia?). Além do bullying, problemas como anorexia, bulimia e depressão podem ser gerados, a busca pela perfeição nunca irá cessar. E até eu me mostro "alienada" quando digo isso, porque o que é perfeição? Desde quando ser perfeito significa ser magro? Ter cabelo liso? E são nesses pequenos detalhes que vemos que o subconsciente de todos já está afetado. Até o meu. Bom, em minha opinião é necessário a conscientização das produtoras que sabem que são influentes e, usar isso ao favor da juventude,
    da própria humanidade, expondo o quando gordinhas podem ser lindas, cabelos encaracolados podem atrair um "principe" também, o quanto um sorriso torto e um jeitinho tímido podem cativar alguém, só assim talvez um dia, os estereótipos sejam derrubados, e as pessoas passem a se olhar no espelho aceitando-as da maneira que elas são.

    Julia Marques de Sousa Perez, 3ºE

    ResponderExcluir
  14. Professores
    Gostaria de expressar minha opiniao sobre o tema 1 , o fato de nao sabermos se Dzokhar irá sobreviver ainda é um mistério , porém os médicos devem estar sofrendo uma pressão muito grande do FBI para manterem o garoto vivo e talvez assim descobrirem mais sobre outros grupos terroristas e se houve mais envolvidos no atentado ou até mesmo outros possíveis ataques com dimensões maiores

    Marco Túlio Correia 3E

    ResponderExcluir
  15. Caros professores,

    Gostaria de tratar sobre o tema 4, o qual se refere à redução da maioridade penal. Sobre isso, acredito que é mais uma tentativa do governo de tentar solucionar o grande problema da realidade social brasileira, refletido nos altos índices de criminalidade, com medidas simples, as quais não são muito eficazes. Nessa decisão, não é levado em conta os principais fatores que levam os jovens a cometer atos infratores, tais como a falta de investimento em setores essenciais, por exemplo, saúde, educação e cultura e ainda o fato de grande parte da população viver em condições precárias e sem muitos recursos. Por isso, ao invés de se preocupar em aumentar punições, é preciso, primeiro, adotar medidas que atuem nessas bases da questão e criar projetos, os quais visem combatê-las.

    Maria Clara Machado Breves - 3ºA

    ResponderExcluir
  16. Caros professores,

    Relacionado ao tema abordado no item 6, eu gostaria de me posicionar em relacao ao mesmo.
    Ate hoje, as criancas vem sendo influenciadas pela midia de modo geral, principalmente em filmes criados pela Walt Disney Company, pois eles estabelecem um padrao de beleza valorizado,e de como atingir a felicidade por meios supérfluos, ou seja, influenciam na construcao da visao de feminilidade, por fato de que as personagens sao representadas, na maioria das vezes,com extrema magreza , valorizacao do status social e ate mesmo do poder, quando refere-se aos principes encantados.
    Sendo assim, em minha opiniao, as criancas precisam de orientacao dos pais, de psicologas e ate mesmo da escola para que elas nao se deixem serem levadas pela estereotipagem do mundo encantado.

    Pamela Ribeiro da Cunha Abrao - 3B

    ResponderExcluir
  17. Caros professores,

    Relacionado ao tema abordado no item 4, acho que a redução da maioridade penal não resolveria a situação criminal, mas agravaria ainda mais o sistema carcerário, uma vez que haveriam ainda mais detentos nas prisões, um maior custo ao Estado, e a enorme chance de reincidência o crime por parte desses menores de idade infratores.Acho para resolver o problema da superlotação de cadeias, ogoverno brasileiro deveria investir bem em instituições reabilitadoras, para que futuros detentos não voltem a cometer mais crimes e volteram para a prisão.

    Estêvão Camin Borges - 3°D

    ResponderExcluir
  18. A respeito do assunto sobre a maioridade penal, como abordado no item 4 da lista, gostaria de comentar que a criminalidade é algo que não tem uma determinada faixa etária para ocorrer, pois crianças, jovens, adultos e idosos podem e cometem crimes. Devido a isso, há leis para punirem esses atos, porém, cada país tem suas próprias leis e formas de punição, portanto, assim como as regras se diferem entre as nações, a maioridade penal também. Mediante essa situação, no Brasil, um jovem de 18 anos já pode ser preso, enquanto que há lugares que essa idade chega a ser 7, 8 ou 12 anos, e com toda certeza são jovens demais para serem encarcerados, mas devem arcar severamente com as consequências. Além do mais, acredito que a prisão é uma forma de se fazer justiça, então o individuo deve ser punido o quanto antes, por isso, sou a favor da redução da maioridade penal no Brasil. Porém, não só essa atitude irá resolver parte dos problemas no nosso país, que é a criminalidade, mas também, tornar o sistema carcerário mais eficiente para que ele cumpra com o objetivo de punir e fazer com que o preso tenha um melhor convívio em sociedade após sua saída.

    Amanda Barbosa Almeida - 3ºE

    ResponderExcluir