segunda-feira, 5 de março de 2012

NCA - Tecnologia - 1ano - Módulo 1 (P1,P2 e P3)


Módulo 1 - Tecnologia como conceito, processo e meio

               “O grande perigo da tecnologia é implantar no homem a convicção enganosa de que é onipotente, impedindo-o de ver a sua imensa fragilidade.”
(Hermógenes)

“A tecnologia ensinou uma lição à humanidade: nada é impossível.”
(Lewis Mumford)

Hoje, consigo perceber que nossa tecnologia ultrapassou nossa humanidade.”
(Albert Einstein)

Infovia-crúcis. Conheceram-se na rede. Amou-a e deletou-a.
(Nivaldo Lemos)

O avanço tecnológico teve grande impacto na produção do conhecimento, porque possibilitou a criação em maior quantidade de informação que é concebida e alterada de formas cada vez mais aceleradas e diversas. Nesse processo, várias tecnologias tiveram diferentes funções e impactos distintos na relação do homem com o conhecimento, com o mundo, com ele mesmo, com as linguagens e com o outro, em especial as associadas aos universos da comunicação e da informação.
Dessa forma, é possível estabelecer uma relação entre o desenvolvimento de uma sociedade qualquer com as tecnologias de informação e comunicação produzidas por ela, com a quantidade e qualidade do conhecimento produzido e com as linguagens inatas ao homem ou não que mediam e permitem esses dinâmicos processos.




:::::Etapas do avanço técnico da humanidade e da relação do homem com a produção e a recepção de informações

_A construção de ferramentas rudimentares, o domínio da produção do fogo e a domesticação de animais.
_A Revolução Agrária foi a condição primária para que a humanidade pudesse adotar o sedentarismo como principal meio de se relacionar com o espaço, com a natureza e entre si, o que muito favoreceu o desenvolvimento tecnológico, já que, estabelecido em um determinado lugar, o homem seria obrigado a criar condições para suportar as exigências ambientais e circunstanciais (escassez de alimentos, falta de água, fenômenos climáticos extremos, secas, predadores, etc.), e não mais as evitar.
_O desenvolvimento da escrita, nesse contexto, é entendido como meio de estabelecer uma espécie de memória periférica para a humanidade, já que o registro material e gráfico superava em muito a história oral - importante, mas pouco confiável no tocante a ser fidedigna ao fato original. Permite, a partir do seu advento, quase simultâneo em duas ou três culturas, o desenvolvimento mais rápido do conhecimento e da tecnologia, já que agora mais pessoas passam a ter contato com as ideias dos grandes pensadores de então. O estabelecimento desse processo tecnológico associado à comunicação e à criação dessa linguagem marca o início das grandes civilizações para muitos historiadores.
_O desenvolvimento da imprensa como um meio de otimizar a produção de livros e impressos aumentou intensamente o volume de informação produzido pelo homem, além, sob certo aspecto, de ter democratizado o acesso ao conhecimento no Ocidente e de ter fomentado, em grande medida, a diversidade e a qualidade das informações, antes fortemente controladas por instituições religiosas, que eram as principais responsáveis pela produção de livros por obra do trabalho de copistas, já que todos os livros até então eram manuscritos.
_A medição cada vez mais precisa e compartimentada do tempo, por meio de inúmeros tipos de relógios, foi uma forma de estabelecer uma nova relação com a natureza e com o próprio tempo, no sentido de contabilizá-lo, compartimentá-lo para, entre outros fins, avaliar a produtividade das pessoas no espaço do trabalho, a velocidade do tráfego e produção de informações, etc.
_A Revolução Industrial foi marcada pela invenção da máquina a vapor, que foi a principal motivadora de uma das principais mudanças da história da humanidade no modo do homem viver e produzir. Isso acabou impondo um meio fabril e veloz de produção de bens materiais, que, mais tarde, alcançaria também a produção de informação e conhecimento.
_Do ábaco ao computador. A relação íntima entre esses dois artefatos, tão distantes aparentemente, esconde o quão rápido avançamos tecnologicamente no cálculo, na armazenagem e na produção de informação. Desde a calculadora rudimentar dos chineses até os computadores gigantescos do pós-Segunda Guerra, houve um substancial avanço, mas o que aconteceu depois foi vertiginoso, mesmo porque a vida de todas as pessoas do planeta mudou de forma direta ou indireta, pela “popularização” dos computadores pessoais, da internet, das aplicações da nanotecnologia e da transmissão de uma inimaginável quantidade de dados. Isso tudo em apenas 50 anos.
_Sob a égide do avanço tecnológico, houve o nascimento da tecnologia mais imprevisível concebida pelo homem, a internet, que superou tudo que conhecíamos até então em formas de comunicação, sendo hoje, além de um meio de troca de informação e dados sem precedentes, um veículo comunicacional em constante avanço por obra e força da comunidade de seus usuários, e não mais apenas das corporações que teoricamente a controlam.

:::::Algumas questões humanísticas sobre o avanço das tecnologias de comunicação e de informação

_Teses iluministas e depois cientificistas preconizaram que o avanço tecnológico seria capaz de isentar o homem de trabalhos perigosos e fisicamente degradantes; como se pode constatar, pouco disso foi realizado. Tal fato faz pensar sobre os múltiplos desdobramentos da fascinação provocada pelo avanço tecnológico, que faz a maioria ignorar muitos dos males desse processo, tais como desemprego estrutural, benefícios ainda restritos a uma minoria, a exclusão digital, o analfabetismo, etc.
_Em função da presente degradação ecológica, a produção e o consumo de itens provenientes desse avanço devem ser urgentemente repensados tanto pelo carbono empregado na cadeia de produção de computadores e celulares, por exemplo, quanto pela quantidade cada vez maior de lixo produzido por causa do quase sempre precoce descarte desses aparelhos. Além disso, preocupa a toxicidade desses materiais, visto que são usados vários metais pesados na confecção de computadores e celulares.
_O preço do “progresso”: é certo que em confrontos como a 2ª Guerra Mundial há veloz avanço tecnológico propiciado pelas mobilizações e pela concorrência entre os países envolvidos, entretanto, será que avanços como a penicilina, o plástico, as novas técnicas médicas, as ligas mais leves de aço, os aviões a jato, o teflon, a energia nuclear, etc., só ocorrerão graças à vontade do homem de destruir e subjugar o outro? Portanto, a tecnologia certamente nos deu os meios e as ferramentas, entretanto há muito ainda para ser discutido em relação aos modos e às consequências desses múltiplos e constantes avanços.
_As relações humanas com as linguagens, para bilhões de pessoas, foram intensamente transformadas pela internet no que tange às relações interpessoais; à relação com as línguas maternas, modificadas por princípios associados à economia e à agilidade; ao contato com línguas estrangeiras, especialmente o inglês; à produção amadora de vídeos; à democratização da produção cinematográfica; ao barateamento da produção musical; etc.
_Em função dessas demandas, há a necessidade da criação de algum organismo internacional que discuta francamente a dimensão ética desse avanço tecnológico para que não sejamos alvos no futuro, se já não o formos, de nossas ambições e realizações tecnocientíficas.

:::::Avanços nos modos de transmitir informação

A forma como a informação é transmitida modificou-se com grande velocidade através da história da humanidade, sempre surpreendendo com a forma como variáveis associadas à distância, à quantidade, à qualidade e à velocidade com que esse processo desenvolvia-se fossem periodicamente repensadas e redimensionadas. Eis algumas etapas desse avanço: os sinais de fumaça, a pintura rupestre, os tambores, a escrita, o correio romano, a imprensa, o telégrafo com fio, o telefone, o telégrafo sem fio, o rádio, a fotografia, o cinema, a televisão, o fax, a internet, a telefonia celular, etc.

:::::As formas de armazenamento da informação

_Tradição oral e pintura rupestre.
_Pedra, papiro, pergaminho e papel, ou seja, meios materiais para “perpetuação” da informação.
_Bibliotecas - locais destinados a acumular de forma organizada e segura a informação produzida pelo homem ao longo da História.
_Obras de referência - tentativas de criar compêndios capazes de conter grande parte do conhecimento produzido pela humanidade, as enciclopédias e os dicionários. Ideia visionária que antecipa muito do que a internet representará, ainda que ambas as iniciativas possam ser consideradas utópicas, já que é inviável - mesmo imaginar - que todo o conhecimento humano possa ser registrado em um veículo informacional apenas, visto que o processo de produção da informação é muito mais dinâmico, plural e veloz do que o desenvolvimento de qualquer tecnologia concebida pela humanidade.
_Primeiras experiências com gravação de sons.
_Fotografia.
_Televisão com o advento de recursos de gravação de imagens (“playback”).
_Computador - virtualização e digitalização da informação: é criado um novo paradigma de armazenagem de dados que transcende o material e passa a contar com formas eletrônicas de armazenamento contadas aos bytes, nasce uma nova medida.
_Internet – construção de uma rede de endereços eletrônicos e de computadores capaz de armazenar e permitir a troca e o tratamento de grande parte do conhecimento produzido pela humanidade. O tráfego e a velocidade de transmissão de informação cada vez maiores e a produção e o acesso à informação descentralizada e democratizada são as características mais marcantes dessa rede no século XXI.
_Celular, computador de mão (smartphones, tablets, etc), tocador de MP3, etc., representam a quebra de paradigmas jamais imaginados, tais como garantir a seus usuários uma mobilidade praticamente ilimitada; serem símbolos de um processo amplo de convergência tecnológica, ou seja, quando um aparelho passa a concentrar tecnologias de outro até que eles se fundam em um só, o que é o caso dos celulares que paulatinamente acumulam funções de telefone, tocador de MP3, tocador de vídeos, computador de mão e máquina fotográfica; redução no tamanho dos aparelhos graças a progressos na nanotecnologia e avanço rápido da capacidade e da velocidade de unidades de processamento na armazenagem de dados.

:::::O plano ideológico da Era da Informação

_A Era da Informação é o período que para muitos se inicia no século XX, após a Segunda Guerra Mundial, com o invento do computador e é moldado pela influência decisiva do cinema na vida de pessoas comuns, pela popularização do rádio, pelo início da massificação da televisão e, posteriormente, pela invenção do computador pessoal, do telefone celular e da internet. Esses adventos tecnológicos mudaram irreversivelmente a vida de grande parte da humanidade, a partir de modificações na forma de os homens se relacionarem com o outro, consigo mesmo e com as instituições. Tais mudanças obrigaram a criação de novos conceitos para abarcar os novos meios e mídias responsáveis pela nossa relação com a informação, pelas mudanças nos nossos padrões de comportamento e pela revolução nos nossos modos de nos comunicarmos, com a criação ou incorporação de palavras como blogosfera, deletar, internauta, conectado, “on line”, etc.
_O Futurismo é um movimento que se inicia com a aurora do século XX, agressivamente dirigido para o futuro, prega a destruição da arte anterior (inclusive a simbolista, a impressionista, a naturalista, etc.) especialmente por causa do seu individualismo e sentimentalismo. Cultua, em contrapartida, a mudança, a invenção, a velocidade, a produção, a máquina, a glorificação do patriotismo e da guerra, as multidões, etc. Surge com o Manifesto do Futurismo do poeta italiano F.T. Marinetti.
_A democratização do acesso à informação é consequência dos avanços técnicos responsáveis pela delimitação do conceito de Era da Informação. Esse conceito é falho, se entendido literalmente, já que a informação não foi democratizada para além daqueles que têm meios para acessá-la. Todavia, mesmo assim, é possível constatar um universo muito grande de pessoas que, apesar de terem todos os meios para se informarem a partir de um tipo de autonomia baseada na diversidade de opiniões e fontes, ignoram essa possibilidade em favor do conhecimento pasteurizado e superficial oferecido abundantemente pelos meios de comunicação de massa.
_O excesso de informação provocado por todos esses adventos e revoluções inadvertidamente criou uma exigência com a qual nem todas as pessoas estão preparadas para conviver de forma produtiva - abundância de informações oriundas dos mais variados países, sobre os mais variados assuntos e a partir dos mais diversos pontos de vista - o que faz com que algumas delas desenvolvam uma doença chamada de estresse da informação.
_A importância do desenvolvimento de critérios de seleção de informação para bem relacionar-se com a quantidade imensurável de informação produzida e veiculada pelo homem de forma impressa, digital e pelos meios de comunicação sugere uma nova forma de educar e aprender. Tal medida é crucial para se ter proveito verdadeiro das vantagens desse momento pelo qual passamos e que Umberto Eco chamou apropriadamente de “dilúvio da informação”.
_A virtualização das informações, como consequência dos avanços aplicados a tecnologias de comunicação e informação, tornou sedutora a ideia de preterir o contato humano e preferir o por meio de computadores, em especial, como forma de ampliar, solidificar e manter um círculo de relações de uma determinada pessoa. Essa tendência alcança até mesmo a prática de relações sexuais intermediadas por máquinas ou mesmo o desenvolvimento de comportamento compulsivo em relação à pornografia disponível na internet.
_O avanço tecnológico e o moral ocorrem em ritmos diferentes, ou seja, aparentemente avançamos numa velocidade inimaginável na aplicação dos progressos tecnológicos, já no campo moral, ainda que saibamos e concordemos sobre o que é melhor para a humanidade e para o planeta em linhas gerais, estamos muito longe de amplamente aplicar esses conhecimentos.
_Privacidade, tecnologia e Capitalismo – a união desses três conceitos tem trazido mais problemas do que vantagens para o homem, já que a privacidade de todos tem sido invadida sem cerimônias graças aos avanços na área da tecnologia e a interesses econômicos. Em virtude disso, podemos ser espionados por câmeras cada vez menores ou mesmo em nossos computadores por corporações ou hackers interessados em saber sobre hábitos dos internautas quando conectados, ou mesmo suas senhas usadas em bancos para que sejam alvos de um possível golpe.
_A tecnologia é realmente uma facilitadora do acesso à informação? O paradigma de um mundo onde a informação está cada vez mais disponível e fácil de ser encontrada convive com jovens cada vez menos informados com propriedade sobre quaisquer assuntos; embora tenham tido contato com grande quantidade de informação, não houve tempo nem condições culturais de assimilá-la, ou seja, de torná-la conhecimento.